quinta-feira, 4 de outubro de 2012

SANTOS DOS DIAS 04,05,07,08,09,10 DE OUTUBRO

04 DE OUTUBRO- SÃO FRANCISCO DE ASSIS





São Francisco de Assis nasceu em 1182, tendo partido para a Eternidade em 1226, aos 44 anos de idade. Na região e na época em que viveu era grande o apego ao luxo e às riquezas, o que minava a sociedade e causava danos à Igreja. Propôs ele um novo ideal de pobreza, obediência e castidade, tendo fundado a Ordem dos Frades Menores (franciscanos), que se expandiu pelo mundo através de várias ramificações. Também, com Santa Clara, fundou a ordem das Clarissas.

Havia se iniciado o século XIII. O jovem filho de um bem sucedido comerciante da cidade de Assis, até então apegado às amizades, aos bens materiais e às atrações do mundo, como a quase totalidade dos rapazes de sua idade, começa a inclinar-se à carreira das armas. Em uma batalha foi preso, tendo de aguardar cerca de um ano até ser resgatado, quando então foi prostrado por uma doença. Recuperado, tentou novamente engajar-se em um exército, porém o chamado de Deus foi mais forte: o jovem João, apelidado Francisco (nome pelo qual se tornou conhecido), voltou-se para o Criador, pois passou a vê-lo com os olhos do espírito ao considerar as virtudes através das quais Ele se revelava.
A juventude e a conversão

Francisco trabalhava como comerciante, e mesmo gostando de obter lucros jamais se prendeu desesperadamente ao dinheiro e às riquezas, gostando, por vezes, de ajudar os pobres. Era muito rico, mas não avarento, e sim pródigo e gastador; um negociante esperto, mas ao mesmo tempo esbanjador insensato. Era gentil, paciente, afável e manso, mas nem sempre as qualidades se sobressaíam naquele jovem que tinha por objetivo a vida mundana.
Certa vez um pobre adentrou a loja em que estava Francisco ocupado com os negócios, para pedir uma esmola pelo amor de Deus, sendo despedido com rispidez sem nada ganhar. A consciência de Francisco logo o acusou, dizendo: "se ele tivesse pedido algo em nome de algum conde ou barão, com certeza o terias atendido; quanto mais não o deverias ter feito pelo Rei dos reis e Senhor de todos". Tomou ali Francisco a decisão de nunca mais negar o que lhe fosse pedido em nome de tão grande Senhor.

Francisco passou a dar generosas esmolas aos pobres que encontrava, inclusive distribuindo suas roupas e outros bens, procurando assim seguir o mandamento do amor ao próximo tantas vezes ilustrado pelos fatos e parábolas narrados nas Sagradas Escrituras. Passou a ser alvo de críticas e deboches por parte dos habitantes da região, e de grande raiva por parte de seu pai, dotado de profundo apego a todos os bens e riquezas que acumulara no comércio de tecidos em que enriquecera.
A rejeição ao mundo e a entrega à pobreza

O conflito familiar chegou a tal ponto que o pai de Francisco, Pedro de Bernardone, levou o caso ao bispo, acusando o filho de dissipar sua fortuna e exigindo uma compensação por tudo o que fora por ele retirado de sua loja para dar aos pobres. Então o jovem, inspirado pelo Espírito Santo, tomou a decisão inimaginável por todos os que ali presenciavam a cena: entregou ao avarento progenitor tudo o que tinha consigo, inclusive as próprias roupas, e disse: doravante não mais direi "meu pai Pedro de Bernardone", e sim "Pai nosso que estais no Céu".
Coberto apenas pelo cilício (um áspero couro animal destinado a incomodar a pele, que usava sob as roupas para combater certos impulsos corporais), Francisco foi então abrigado pela capa cedida pelo bispo, ali renunciando publicamente à herança; pediu a bênção episcopal e partiu para a vida de pobreza, passando depois a ter por companheiros vários amigos que quiseram seguir a mesma via de perfeição. Não chegara sequer aos 25 anos quando esses fatos ocorreram. Era o início da família franciscana, que não se restringiu ao sexo masculino, pois Francisco, com a jovem Clara - que se inclinou a seguir os passos desse santo homem -, fundou o ramo feminino, que obteve do papa Inocêncio III o reconhecimento do direito de ser pobre e de nada possuir.

Diz-se que Francisco e a Pobreza contraíram um casamento místico. Na verdade, conforme estudos aprofundados feitos nos antiquíssimos escritos históricos e alegóricos a respeito do Fundador e dos primeiros franciscanos, nota-se que o que Francisco fez foi uma vassalagem mística com a Pobreza, a quem se entregou para servi-la. A ela se referia como "minha senhora", expressão que na época caracterizava uma obediência e com a qual se entregava àquela virtude que tanto admirava.

Entre as mais famosas e importantes virtudes, que no homem preparam um lugar para Deus e ensinam o caminho melhor e mais rápido para chegar até Ele, a santa Pobreza sobressai a todos por uma certa prerrogativa e supera os títulos das outras por uma beleza singular. Ela é fundamento e guardiã das virtudes todas, e entre as conhecidas virtudes evangélicas ela tem, merecidamente, um lugar de honra. Essas palavras iniciam o texto alegórico que mostra a relação mística entre o Fundador franciscano e a Senhora Pobreza, esposa de Cristo.











DIA 05 DE OUUBRO

S. Faustina nasceu no dia 25 de agosto de 1905 na Polonia, em Glowogowiec, terceira de dez filhos, em uma pobre e devota família camponesa, Deste a sua infância ela foi muito devota, muito amor pela oração, ela trabalhava muito, obediência e uma grande sensibilidade com a misérias humanas. Com a idade de 16 anos deixou a sua casa paterna para trabalhar e ajudar aos seus pais trabalhando como doméstica. Quando manifestou o desejo de entra na vida religiosa os seus pais não deixaram. Mas S. Faustina nao desistiu , depois de bate varias vezes muitas portas, 1 de agosto de 1925 entrou na “Congregação das irmãs da Bem-aventurada Virgem Maria da Misericórdia” em Varsavia.Ficou o tempo do noviciado em Cracovia e ali, na presença do bispo Rospond, fez os seus primeiros votos, e depois de cinco anos, os votos perpetuos: castidade, pobreza e obediência.Nada ao externo notava a sua vida mistica extraordinariamente rica.Desenrolava as suas tarefa com zelo, e vivia fielmente a regra de vida religiosa, vivia o silêncio e recolhimento, e no mesmo tempo, era espontânea, serena, muito cordial e uma caridade gratuita com os outros. Toda a sua vida estendia para uma união sempre mais com Deus e colaborava ativamente com Jesus para a salvação das almas.
Deus concedeu grandes dons e ela se esforçava e lutava continuamente na estrada da perfeição da vida cristiana. Um tipo de vida severo e duros jejuns, que impor-se antes de entra na comgregação, e assim enfraqueceu o seu organismo até o ponto que, como postulante, teve que ser mandada a Skolimow, lugar perto de Varsavia, para melhorar a sua saúde.Santa Faustina ofereceu a vida para os pecadores e conseqüentemente sofreu também muitos sofrimentos para salvar as almas, Nos ultimos anos de sua vida aumentaram além disso os sofrimentos interno e perturbação físicas, se manisfetou a tuberculose que invadidos os pulmões e tubos digestivos e teve que ser mandada no hospital duas vezes, para alguns meses, no hospital de Pradnik, perto de Cracovia.Totalmente destruido o seu fisico, mas plemanente madura no espirito, unida misticamente com Deus, morreu com fama de santidade o dia 5 de outubro de 1938, com a idade de 33 anos, e 13 anos de vida religiosa, e foi enterrada no cemiterio da congregação em Cracovia mas, no tempo do processo de imformação da beatificação,seus resto mortais foi levado na capela do convento.Jesus confiou a esta religiosa, sem instrução, mas muito forte mas infinitamente tinha muita confiança em Deus, e uma grande tarefa: O mensagem da Divina Misericórdia para o mundo inteiro.“ Hoje eu mando você - Ele falou – para toda a humanidade com a Minha Misericórdia. Não desejo castigar a humanidade sofrida, mas desejo recuperá-la e para apertá-la ao meu coração Misericordioso” ( Diário, página 827)“Tu és a minha secretária da minha Misericórdia: Eu escolhi você para esta tarefa nesta vida e naquela futura. ” ( Diário, página 838)“Você faça comhecer as almas a grande Misericórdia que Eu tenho para elas e conduz com confiança no oceano da minha Misericórdia” ( Diário, página 818).
( Diário, página 838)“Você faça comhecer as almas a grande Misericórdia que Eu tenho para elas e conduz com confiança no oceano da minha Misericórdia” ( Diário, página 818).A missão de S. Faustina consistir em lembrar uma verdade de fé, O Amor misericordioso de Deus para a humanidade. O culto da Divina Misericórdia consistir em uma confiança infinta na bondade de Deus e nas obras de Misericórdia em favor do outro.
Novena a Santa Faustina

Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Sinal da Cruz:
Pelo sinal da santa Cruz, livrai-nos, Deus Nosso Senhor dos nossos inimigos. Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Oração de entrega à Vontade de Deus
Com a confiança e a simplicidade de uma criança entrego-me hoje a Vós, Senhor Jesus e meu Mestre. Deixo-vos inteira liberdade na direção da minha alma. Guiai-me pelos caminhos que escolherdes, eu não vou querer entendê-los, eu Vos seguirei confiante. O Vosso Misericordioso Coração tudo pode!(D. 228)

Oração final(Para todos os dias)


1.Oração de Santa Faustina
Ó Jesus, que fizestes de Santa Faustina uma grande veneradora da Vossa infinita Misericórdia, dignai-Vos conceder-me pela sua intercessão a graça ... que Vos peço, se é da Vossa Santíssima Vontade.
Seu que não sou digno(a) da Vossa Misericórdia, mas olhai para o espírito de dedicação e sacrifício de Santa Faustina e pela sua intercessão ouvi as súplicas que Vos apresento confiando em Vós. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no Princípio, agora e sempre. Amem.
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida, doçura, esperança nossa salve. A vós bradamos, os degredados filhos de Eva. A vós suspiramos, gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa os vossos olhos misericordiosos a nós volvei. E, depois deste exílio, bendito é o fruto do vosso ventre. Oh! Clemente

Oh! Piedosa! Oh! Doce sempre Virgem Maria. Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Santa Faustina, rogai por nós.
Primeiro dia


Santa Faustina : Adoradora da Misericórdia de Deus
Ó Misericórdia Divina insondável e inesgotável,
Quem Vos poderá venerar e glorificar dignamente?
Atributo máximo de Deus Onipotente,
Sois a doce esperança para o homem pecador. (D. 951)
Repito essas palavras, simples e sinceras de Santa Faustina, para adorar juntamente com ela e com todos vós o mistério inconcebível e insondável da misericórdia de Deus. Com ela, queremos professar que não existe para o homem outra fonte de esperança, fora da misericórdia de Deus. Desejamos repetir com fé: Jesus, eu confio em Vós!
No nosso tempo, em que o homem se sente perdido face às numerosas manifestações do mal, temos particular necessidade desse anúncio que exprime a confiança no amor onipotente de Deus. É preciso que a invocação da misericórdia de Deus surja do fundo dos corações repletos de sofrimento, de apreensão e de incerteza, mas que, ao mesmo tempo, procura uma fonte infalível de esperança.
(Papa João Paulo II, in L’Oss. Romano, p.3 , n.34 – 24/08/ 2002)

Meditação
Não existe para o homem outra fonte de esperança, fora da Misericórdia de Deus. Por isso, devemos repetir com fé: Jesus, eu confio em Vós! É preciso que a invocação da Misericórdia de Deus surja do fundo dos corações repletos de sofrimento, de apreensão e de incerteza, mas que, ao mesmo tempo, procura uma fonte infalível de esperança.

Oração final
Segundo dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Riqueza da Misericórdia de Deus
Este lema resume, de certa forma, toda a verdade sobre o amor de Deus, que redimiu a humanidade. (Ef 2,4-5).A plenitude deste amor revelou-se no sacrifício da Cruz. Com efeito, (Jo 15,13). Esta é a primeira medida do amor de Deus! Esta é a medida da misericórdia de Deus.

Desde o início da sua existência, apelando para o mistério da Cruz e da Ressurreição, a Igreja anuncia a misericórdia de Deus, penhor de esperança e fonte de salvação do homem. Todavia, parece que hoje em dia ela é particularmente chamada a anunciar esta mensagem ao mundo inteiro. E não pode descuidar esta missão, se é Deus que a chama com o testemunho de Santa Faustina.
(Papa João Paulo II, in L’Oss. Romano, p.3 , n.34 – 24/08/ 2002)
Meditação
Ó fonte inesgotável da misericórdia divina, derramai-Vos sobre nós. A Vossa bondade não tem limites. Confirmai, ó Senhor, a força da Vossa Misericórdia sobre o abismo da minha miséria, porque a Vossa compaixão não conhece limites. A Vossa misericórdia é incomparável e inatingível e assombra a mente dos homens e dos anjos.(D. 819)
Oração final
Terceiro dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)

Chegou o Momento da Misericórdia
É necessário fazer ressoar a mensagem do amor misericordioso com um vigor renovado. O mundo precisa desse amor. Chegou a hora de fazer a mensagem de Jesus Cristo atingir todos os homens: de maneira especial aqueles, cuja humanidade e dignidade parecem perder-se no misteryum iniquitatis. Chegou o momento de a mensagem da Misericórdia divina derramar a esperança nos corações, tornando-se a centelha de uma nova civilização: a civilização do amor.
A Igreja deve anunciar esta mensagem incansavelmente, não apenas com palavras ardentes, mas com uma solícita prática da misericórdia. É por este motivo que indica maravilhosos exemplos de pessoas que, em nome do amor de Deus e do homem, .
Meditação
Ó Jesus, desejo viver o momento presente, viver como se este dia fosse o último da minha vida: aproveitar cuidadosamente cada momento para a maior glória de Deus; fazer uso de cada circunstância, de tal maneira, que a alma possa tirar proveito. (D.1183)

Oração final
Quarto dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


A Civilização do Amor
Diante da humanidade, abrem-se novas perspectivas de desenvolvimento e, ao mesmo tempo, de perigos até agora inéditos. Com freqüência, o homem vive como se Deus não existisse, e chega a pôr-se a si mesmo no lugar de Deus. Assim, arroga a si próprio o direito do Criador, de interferir no mistério da vida humana. E, mediante manipulações genéticas, quer decidir a vida do homem e determinar o limite da morte. Rejeitando as leis divinas e os princípios morais, ele atenta abertamente contra a família. De várias maneiras, procura fazer calar a voz de Deus no coração dos homens; e quer fazer de Deus . O continua a caracterizar a realidade do mundo.
Experimentando este mistério, o homem vive o medo do futuro, do vazio, do sofrimento e do aniquilamento. Por isso, hoje, é necessário fazer ressoar a mensagem do amor misericordioso com um vigor renovado. O mundo precisa desse amor. Chegou a hora de fazer a mensagem de Jesus Cristo atingir todos os homens: de maneira especial aqueles, cuja humanidade e dignidade parecem perder-se no misteryum iniquitatis. Chegou o momento de a mensagem da Misericórdia divina derramar a esperança nos corações, tornando-se a centelha de uma nova civilização: a civilização do amor.
A Igreja deve anunciar esta mensagem incansavelmente, não apenas com palavras ardentes, mas com uma solícita prática da misericórdia. É por este motivo que indica maravilhosos exemplos de pessoas que, em nome do amor de Deus e do homem, .(Homilia da Santa Missa de Beatfidicacao de quatro Servos de Deus, em Cracóvia a 18 de Agosto – L’Osservatore Romano,n.34-24 de Agosto de 2002, pág.4)

Meditação
Jesus, fazei meu Coração semelhante ao Vosso, ou antes, transformai-o no Vosso Coração, para que eu saiba perceber as necessidades dos outros corações, especialmente dos que sofrem e estão tristes; que os raios da misericórdia descansem no meu coração. (D. 514)

Oração final
Quinto dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Maria aos pés da Cruz
(Jo 19,5). Aquela que estava unida ao Filho por vínculos de sangue e de amor materno, lá, aos pés da Cruz, vivia esta união no sofrimento. Só ela, apesar do sofrimento do coração do homem do coração de mãe, sabia que esse sofrimento tinha um sentido. Ela tinha confiança – confiança apesar de tudo – que se estava a realizar a antiga promessa: (Gn 3,15). E a sua confiança teve a confirmação, quando o Filho agonizante se dirigiu a ela: .
Podia ela naquele momento, aos pés da Cruz, pensar que dali a pouco, passados três dias, pensar que dali a pouco, passados três dias, a promessa de Deus se realizaria? Isto será para sempre um segredo do seu coração. Mas sabemos uma coisa: ela, a primeira entre todos os seres humanos, participou na glória do Filho do Ressuscitado. Ela – como cremos e professamos – foi elevada ao céu em corpo e alma para viver a união na glória, para rejubilar ao lado do Filho com os frutos da Misericórdia Divina e obtê-los àqueles que nela procuram refúgio. (João Paulo II, Cracóvia – 19 de Agosto de 2002 – L’Oss.Romano, 24/08/02, nº34, pág.6)
Meditação
Ó Maria, uma espada terrível transpassou hoje Vossa Santa Alma. Além de Deus, ninguém sabe do vosso sofrimento. A Vossa alma não se abate, mas é corajosa, porque está com Jesus. Doce Mãe, uni meu coração a Jesus, porque só então suportarei todas as provações e experiências e, só em união com Jesus, os meus pequenos sacrifícios serão agradáveis a Deus. Mãe dulcíssima, ensinai-me a vida interior. Que a espada dos sofrimentos nunca me abale. Ó Virgem pura, derramai coragem no meu Coração e velai por ele. (D. 915)

Oração final
Sexto dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Coração Novo – Obra da Misericórdia de Deus
(L’Oss. Romano, nº 26 – 29/06/2002).
Meditação:Ó meu Jesus, suplico-Vos pela bondade do Vosso dulcíssimo Coração de Jesus, que se acalme a Vossa ira e se nos manifeste a Vossa Misericórdia. Vossas Chagas sejam nossa defesa diante da justiça do Vosso Pai. Conheci-Vos, ó Deus, como fonte de misericórdia que vivifica e alimenta cada alma. Oh! como é grande a Misericórdia do Senhor, acima de todos os seus atributos. A Misericórdia é o maior atributo de Deus; tudo que está em minha volta, me fala disso. A Misericórdia é a vida das almas, a Sua compaixão inesgotável. Ó Senhor, olhai para nós e procedei conosco de acordo com a Vossa imensurável piedade, de acordo com a Vossa imensa misericórdia. (D. 611)

Oração final
Sétimo dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Coração de Jesus – Caminho de Reconciliação
O Coração de Jesus jamais teve sentimentos de ódio e de vingança, mas pediu o perdão para os seus algozes, aquele coração indica o caminho para sair do espiral da violência: o caminho da pacificação das almas, da compreensão e da reconciliação (L’Oss. Romano, nº 26 – 29/06/2002).
Meditação : Ó Jesus, misericórdia! Envolvei o mundo todo e estreitai-me ao Vosso Coração... Permiti, Senhor, que minha alma descanse no mar da Vossa inesgotável Misericórdia. (D. 869)

Oração final
Oitavo dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)


Eucaristia: fonte de Misericórdia


No Santíssimo Sacramento estão ‘contidos verdadeiramente, realmente e substancialmente o Corpo e o Sangue juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. O que o alimento material produz em nossa vida corporal, a comunhão realiza de maneira espiritual. A comunhão da Carne de Cristo Ressuscitado, ‘vivificado pelo Espírito Santo e vivificante’, conserva, aumenta e renova a vida da graça recebida no batismo. Este crescimento da vida cristã precisa ser alimento pela comunhão eucarística, pão da nossa peregrinação, até o momento da morte, quando nos será dado como viático (Catecismo da Igreja Católica, n.1374.1932) .
Meditação: Dulcíssimo Jesus, acendei o meu amor para Convosco e transformai-me em Vós, divinizai-me, para que os meus atos Vos sejam agradáveis; que o consiga pelo poder da Santa Comunhão, que recebo diariamente. Como desejo ser inteiramente transformada em Vós, ó Senhor!(D. 1289)

Oração final
Nono dia
Oração Inicial (Para todos os dias da Novena)

Cristo Crucificado: Hóstia agradável a Deus


A justificação nos foi merecida pela paixão de Cristo, que se ofereceu na Cruz, como hóstia viva, santa e agradável a Deus, e cujo sangue se tornou instrumento de propiciação pelos pecados de toda a humanidade.

A justificação é concedida pelo batismo, sacramento de fé (Catecismo da Igreja Católica, 1992).
Meditação: Conhecemo-nos mutuamente, o Senhor e eu, na morada do meu coração. Sim, agora sou eu que Vos recebo como hóspede no pequeno lar do meu coração, mas aproxima-se o tempo em que me chamareis para a Vossa morada, aquele que me preparastes desde a fundação do mundo. Oh! o que sou eu diante de Vós, Senhor! (D. 909)

Oração final

http://anunciadoresdamisericordia.blogspot.com

------------------------------------------

DIA 07 DE OUTUBRO



REZAR O ROSÁRIO FAZ BEM À ALMA
Havia uma senhora muito simples que vendia verduras na vizinhança.
Certo dia, Dona Joana, conhecida por todos na vizinhança, foi vender suas verduras na casa de uma pessoa fanática
e perdeu o terço no jardim da casa dele.
Passado alguns dias, Joana voltou novamente àquela casa.
E a pessoa fanática veio logo zombar de Joana, e dizia para ela:
- Você perdeu o seu Deus?
Ela humildemente respondeu:
- Eu, perder o meu Deus? Nunca!
Ele, então pegou o Terço e disse:
- Não é este o seu Deus?
Ela disse:
- Graças a Deus o senhor encontrou o meu Terço. Muito obrigada.
Ele disse: "- Por que você não troca este cordão com estas sementinhas pela Bíblia? e completou: Isso é IDOLATRIA.
Ela suavemente respondeu:
- Eu leio a Bíblia todos os dias e rezo o terço, e com o terço eu medito toda a Palavra de Deus que li e a guardo no coração.
Ele disse:
- Medita a palavra de Deus? Como assim? Poderia me dizer?
Respondeu Joana, pegando o Terço:
- Posso sim.
Quando eu pego a cruz, lembro-me que o filho de Deus deu todo o Seu Sangue, pregado numa cruz, para salvar
a humanidade.
Esta primeira conta grossa, me lembra que há um só Deus onipotente.
Estas três contas pequenas me lembram as três pessoas da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo.
Essa outra conta grossa me faz lembrar a oração que o Senhor mesmo nos ensinou que é o Pai Nosso.
O terço tem cinco mistérios que fazem as cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo cravado na cruz, e a cada mistério
tem dez Ave-Maria, que me fazem lembrar os Dez mandamentos que o Senhor mesmo escreveu na tábua de Moisés.
O Rosário de Nossa Senhora tem quinze mistérios que são: os cinco gozosos, os cinco dolorosos e os cinco gloriosos.
De manhã, quando me levanto para iniciar a luta do dia rezo os gozosos, lembrando-me do humilde lar de Maria de Nazaré.
Ao meio dia, no meu cansaço e na fadiga do trabalho, eu rezo os mistérios dolorosos, que me fazem lembrar a dura
caminhada de Jesus Cristo para o calvário.
As quinze promessas de Nossa Senhora aos devotos do Santo Rosário :

1)A todos aqueles que recitarem o meu Rosário prometo a minha especialíssima proteção.
2) Quem perseverar na reza do meu Rosário, receberá graças potentíssimas.
3)0 Rosário será uma arma potentíssima contra o inferno, destruirá os vícios, dissipará o pecado e derrubará as heresias.
4)0 Rosário fará reflorir as virtudes, as boas obras e obterá às almas as mais abundantes misericórdias de Deus .
5)Quem confiar-se a Mim, com o Rosário, não será nunca oprimido pelas adversidades.
6) Quem quer que recitar devotadamente o Santo Rosário, com a meditação dos Mistérios, se converterá se pecador, crescerá em graça se justo e será feito digno da vida eterna.
7) Os devotos do Meu Rosário na hora da morte, não morrerão sem os sacramentos.
8) Aqueles que rezam o Meu Rosário encontrarão, durante sua vida e na hora de sua morte, a luz de Deus e a plenitude das suas graças e participarão aos méritos dos abençoados no Paraíso.
9) Eu libertarei, todos os dias, do Purgatório, as almas devotas do Meu Rosário.
10) Os verdadeiros filhos do Meu Rosário, gozarão de uma grande alegria no Céu.
11) Aquilo que se pedir com o Rosário se obterá.
12) Aqueles que propagarem o Meu Rosário serão por mim socorridos em todas as suas necessidades.
13) Eu consegui do Meu Filho que todos os devotos do Rosário tenham, por irmãos em sua vida e na hora de sua morte, os Santos do Céu.
14) Aqueles que recitarem o Meu Rosário fielmente serão todos filhos meus amadíssimos, irmãos e irmãs de Jesus.
15) A devoção do Santo Rosário é um grande sinal de predestinação.




11/10 - Santo Alexandre Sauli

A família Sauli fazia parte da nobre Corte de Gênova, muito ligada à Igreja. Nela, havia inúmeras figuras de destaque e influência na política, ricas e poderosas, tendo tradição de senadores e administradores para aquela costa marítima tão importante da Itália.
No seio deles nasceu Alexandre, no dia 15 de fevereiro de 1534, em Milão. No batizado, sua mãe o consagrou à Virgem Maria. Desde a tenra idade queria seguir a vida religiosa. E na adolescência ele dispensou uma brilhante carreira na Corte do rei Carlos V, conhecido como o senhor da Europa e da América, para seguir sua vocação.
Aos dezessete anos de idade, entrou no Colégio do Clero Regular de São Paulo, da igreja milanesa de São Barnabé, tradicionalmente freqüentada por sua família. Lá, entregou-se por completo à obediência das regras da vida comum com severas tarefas religiosas. Abandonou tudo o que possuía, tornando-se um verdadeiro seguidor de Cristo.
Ordenado sacerdote, Alexandre Sauli exerceu o ministério como professor de noviços e formador de padres barnabitas. Depois, foi nomeado pelo arcebispo de Milão, Carlos Borromeo, agora santo, teólogo e decano da Faculdade Teológica de Pávia. Em 1565, aos trinta e um anos de idade, foi eleito superior-geral da Ordem, empenhando-se para manter vivo o espírito original do fundador. Considerado por seu dom de conselho, tornou-se o confessor do próprio são Carlos Borromeo, e orientador espiritual de muitas pessoas ilustres do seu tempo, tanto religiosos como leigos.

Em 1567, foi nomeado bispo de Aléria, na ilha de Córsega, França. Recebeu, entretanto, uma diocese decadente e abandonada, sem clero capacitado, sem locais de culto decente, com um rebanho perdido nas trevas da ignorância e da superstição. Trabalhou duro durante vinte e um anos. Conseguiu reformar o clero, sendo o professor e o exemplo da vida cristã para todas as classes sociais, eliminando divergências e ódios entre as várias famílias dominantes.
Transformou a diocese num modelo de devoção apostólica e de organização, sendo estimado e amado por todos, ricos e pobres.
Mas Alexandre teve de deixar a Córsega quando foi nomeado bispo de Pávia pelo papa Gregório XIV, de quem fora diretor espiritual e confessor. Na época, Alexandre não tinha boas condições físicas devido ao seu incansável trabalho e à vida dura de privações, penitências e mortificações a que ele sempre se submetera. Mesmo assim, iniciou a visita pastoral de sua nova diocese, sem nem sequer pensar em abandonar a cruz de sua missão.
No dia 11 de outubro de 1592, ele estava em visita na cidade de Calosso d'Asti. Era um doce entardecer de outono. Estando na rica propriedade do senhor do local, aceitou sua oferta de hospitalidade. Mas não ficou em nenhum dos luxuosos salões, preferiu estar entre os trabalhadores que se acomodavam nas estrebarias dos animais, onde adormeceu e não mais acordou.
Seu corpo foi transferido e sepultado na Catedral de Pávia, Itália. Em 1904, o papa Pio X o canonizou como santo Alexandre Sauli, "Apóstolo da Córsega". Venerado como padroeiro da ilha de Córsega, sua festa litúrgica, que ocorre no dia de sua morte, mantém-se muito viva e vigorosa.

2 comentários:

  1. Boa noite!eu conheci Santa Terezinha através de um diário que ganhei, eu gostei muito e fui na net pesquisar mais sobre Santa Terezinha ,encontrei a novena e dias depois comecei a rezar,nos final da novena rezei um terço em oferecimento.Pedi para que santa Terezinha me fortalecesse; ser uma pessoa bondosa e de coração bom.Eu admiro as pessoas assim e cinto muita paz quando encontro pessoas com essas qualidades.Depois que terminei a novena numa manhã de domingo enquanto prepara a refeição olhando para a janela,minha planta estava com as flores lindas eu fiquei muito emocionada.Eu tinha essa planta há muito tempo e nunca tinha florido.Ainda não me considero uma pessoa bondosa mais consigo ver com muita clareza minhas falhas que me da uma reação de desconforto imediato.Eu vou chegar lá se Deus quiser.Gosto muito do hino de santa Terezinha, me trás muita paz interior.

    ResponderExcluir