segunda-feira, 27 de junho de 2022

NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO
















 




Ó Senhora do Perpétuo Socorro, mostrai-nos que sois verdadeiramente nossa mãe, obtendo-me o seguinte benefício:

(Faça o seu pedido)

E a graça de usar dele para a glória de Deus e a salvação de minha alma.

Ó glorioso Santo Afonso, que por Vossa confiança na bem-aventurada Virgem conseguistes tantos favores e tão perfeitamente provastes em Vossos admiráveis escritos que todas as graças nos vêm de Deus pela intercessão de Maria.

Alcançai-me a mais tenra confiança para com nossa mãe do Perpétuo Socorro e rogai-lhe, com instância, me conceder o favor que reclamo de seu poder e bondade maternal.

Eterno Pai, em nome de Jesus e pela intercessão de nossa Mãe do Perpétuo Socorro e de Santo Afonso, peço-Vos que me atendais para Vossa glória e bem de minha alma.

Consagração à Nossa Senhora

Ó Santa Mãe Dolorosa de Deus, ó Virgem Dulcíssima, eu vos ofereço meu coração para que o conserveis intacto como Vosso Coração Imaculado.

Eu vos ofereço a minha inteligência, para que ela conceba apenas pensamentos de paz e bondade, de pureza e verdade.

Eu vos ofereço minha vontade para que ela se mantenha viva e generosa a serviço de Deus.

Eu vos ofereço meu trabalho, minhas dores, meus sofrimentos, minhas angústias, minhas tribulações e minhas lágrimas, no meu presente e no meu futuro para serem apresentadas por Vós a Vosso Divino Filho, para purificação de minha vida.

Mãe compassiva, eu me refugio em Vosso Coração Imaculado, para acalmar as dolorosas palpitações de minhas tentações, de minha aridez, de minha indiferença e das minhas negligências.

Escutai-me ó Mãe, guiai-me, sustentai-me e defendei-me contra todos os perigos da alma e do corpo, agora e para toda a eternidade. Assim seja.

fonte: https://www.padrereginaldomanzotti.org.br/novena/de-nossa-senhora-do-perpetuo-socorro/

 

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A exemplo de Jesus, também nós recorremos a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro diante das angústias de nosso coração. Confira a preparação para todos os dias da novena:

– Recolher-se em oração em casa ou em uma igreja;
– Fazer o pedido da graça que tanto deseja alcançar;
– Rezar a oração de cada dia;
– Rezar um Pai-Nosso e três Ave-Marias;
– Praticar a boa obra de cada dia. Pode-se trocar por outra mais conveniente.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Conheça-a-Novena-a-Nossa-Senhora-do-Perpétuo-Socorro

Imagem ilustrativa

Primeiro dia

“Eis a tua mãe” (Jo 19,27)
Bondosa Mãe do Perpétuo Socorro, que experimentastes a angústia da vida, acolhei o meu pedido. Sois Mãe e tendes o desejo de socorrer a todos, aqui está alguém que é pecador, mas que recorre a vós.
• Boa obra: dar esmola a um pobre.

Segundo dia

“[…] meu espírito se alegra em Deus […]” (Lc 1,47)
Mãe do Perpétuo Socorro, ajudai-me a ser de Deus. Tudo passa como vento, Deus permanece. Quero ser d’Ele e, por isso, vos suplico: socorrei-me nessa vida, ajudai-me a não perder Deus nos sofrimentos e necessidades. Bondosa Mãe, aumentai a minha fé e confiança, socorrei-me com vosso amor.
• Boa obra: em casa, fazer o trabalho com amor.

Terceiro dia

“[…] seja feita a tua vontade […]” (Mt 6,10)
Bondosa Mãe, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, compreendestes e sempre fizestes o que Deus queria, afastai de mim a dureza do coração, o orgulho e o egoísmo. Ajudai-me, bondosa Mãe, a seguir a vontade de Deus e concedei-me a graça que vos peço.
• Boa obra: antes de dormir, agradecer a Deus por tudo o que aconteceu no dia.

Quarto dia

“[…] foi a mim que o fizestes!” (Mt 25,40)
Mãe de Jesus e minha mãe, dai-me um coração generoso para ajudar o próximo e misericordioso para perdoar sempre. Dai-me um coração humilde e manso para suportar suas fraquezas. Jesus disse que faço a Ele o que faço aos outros, por isso, ajudai-me a melhor amar Deus e meus irmãos. Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, socorrei-me na graça que vos peço.
• Boa obra: dar algo ao pobre.

Quinto dia

“[…] eu estou ali, no meio deles.” (Mt 18,20)
Bondosa Mãe, como vivestes com Jesus e José em casa? Concedei-me amar meus irmãos e aceitar cada um no seu jeito de ser. Dai-nos a paz, compreensão, bondade e alegria para que o Espírito de Jesus permaneça conosco. Bondosa Mãe, pedi a Ele por nós.
• Boa obra: visitar alguém doente.

Sexto dia

“Vinde a mim, […] e eu vos darei descanso.” (Mt 11,28)
Pode a mãe esquecer seu filho? Sei, ó Maria, que não nos esqueceis, mas tenho medo de me esquecer de vós. Peço-vos nunca perder Deus nem a fé, e sempre confiar em vós. Ó Maria, feliz de quem vos conhece e a vós recorre como o filho a sua Mãe. Ajudai-me em minha prece.
• Boa obra: ir a uma igreja e rezar por alguém.

Sétimo dia

“Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (Lc 1,38)
Maria, sempre fizestes tudo o que Deus vos pediu. Para que eu também seja assim, ajudai-me a ouvir a Palavra de Deus, a meditar, a ouvir o que Jesus ensinou. Atendei meu pedido nesta novena e não deixai que fique acomodado na vida.
• Boa obra: ler Lc 1,39-56.

Oitavo dia

“[…] olhou para a humildade de sua serva.” (Lc 1,48)
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, quantas vezes me torno orgulhoso, vaidoso, confiante nas coisas que passam! Tudo isso pode ocupar o lugar de Deus em meu coração. Maria, livrai-me desta tentação de trocar Deus pelas coisas da terra e descuidar da casa d’Ele em mim. Bondosa Mãe, socorrei-me com a graça de Jesus.
• Boa obra: ouvir e conversar, bondosamente, com um idoso ou uma pessoa difícil.

Nono dia

“Maria, porém, guardava todas as coisas, meditando-as no seu coração” (Lc 2,19). Quantas vezes, ó Maria, meu coração fica triste, atribulado, cheio de dúvidas e angustiado. Isso acontece, porque não me recolho no silêncio da oração nem procuro ver o que Deus quer de mim. Não sei escutar o Senhor. Maria, peço-vos a graça de acreditar que Deus me ama sempre, mesmo na dor.
• Boa obra: passar o dia alegre e não se aborrecer.

fonte:  https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/devocao/novena/conheca-novena-nossa-senhora-perpetuo-socorro/

domingo, 29 de maio de 2022

ASCENSÃO DO SENHOR

 


 



Os onze discípulos foram para a Galileia, para a montanha que Jesus lhes tinha designado. 17. Quando o viram, adoraram-no; entretanto, alguns hesitavam ain­da. 18. Mas Jesus, aproximando-se, lhes disse: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. 19. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. 20. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”."
São Mateus, 28 - Bíblia Católica Online


 ATOS DOS APÓSTOLOS 1, 1-11

"1. Em minha primeira narração, ó Teó­filo, contei toda a sequência das ações e dos en­si­na­mentos de Jesus,"
2"desde o princípio até o dia em que, depois de ter dado pelo Espírito Santo suas instruções aos apóstolos que escolhera, foi arrebatado (ao céu). 3. E a eles se manifestou vivo depois de sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas do Reino de Deus. 4. E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem aí o cumprimento da promessa de seu Pai, “que ouvis­tes” – disse ele – “da minha boca; 5. porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui a poucos dias”."
6"Assim reunidos, eles o interrogavam: “Senhor, é porventura agora que ides instaurar o reino de Israel?”. 7. Respondeu-lhes ele: “Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou em seu poder, 8. mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até os confins do mundo”. 9. Dizendo isso, elevou-se da (terra) à vista deles e uma nuvem o ocultou aos seus olhos. 10. Enquanto o acompanhavam com seus olhares, vendo-o afastar-se para o céu, eis que lhes apareceram dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: 11. “Homens da Galileia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado para o céu voltará do mesmo modo que o vistes subir para o céu”. 12. Voltaram eles então para Jerusalém do monte chamado das Oli­veiras, que fica perto de Jerusalém, distante uma jornada de sábado.* 13. Tendo entrado no cenáculo, subiram ao quarto de cima, onde costumavam permanecer. Eram eles: Pedro e João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelador, e Judas, irmão de Tiago. 14. Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus, e os irmãos dele. 15. Em um daqueles dias, levantou-se Pedro no meio de seus irmãos, na assembleia reunida que constava de umas cento e vinte pessoas, e disse: 16. “Irmãos, convinha que se cumprisse o que o Espírito Santo predisse na escritura pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus. 17. Ele era um dos nossos e teve parte no nosso ministério. 18. Esse homem adquirira um campo com o salário de seu crime. Depois, tombando para a frente, arrebentou-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram.* 19. (Tornou-se este fato conhecido dos habitantes de Jerusalém, de modo que aquele campo foi chamado na língua deles Hacéldama, isto é, Campo de Sangue.) 20. Pois está escrito no Livro dos Salmos: Fique deserta a sua habitação, e não haja quem nela habite; e ainda mais: Que outro receba o seu cargo (Sl 68,26; 108,8). 21. Convém, pois, que destes homens que têm estado em nossa companhia todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu entre nós, 22. a começar do batismo de João até o dia em que de nosso meio foi arrebatado, um deles se torne conosco testemunha da sua Ressurreição”. 23. Propuseram dois: José, chamado Bar­sabás, que tinha por sobrenome Justo, e Matias. 24. E oraram nestes termos: “Ó Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos qual destes dois escolheste 25. para tomar neste ministério e apostolado o lugar de Judas que se transviou, para ir para o seu próprio lugar”. 26. Deitaram sorte e caiu a sorte em Matias, que foi incorporado aos onze apóstolos."
Atos dos Apóstolos, 1 - Bíblia Católica Online


 EFÉSIOS 1, 17-23

"17. Rogo ao Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê um espírito de sabedoria que vos revele o conhe­cimento dele; 18. que ilumine os olhos do vosso coração, para que compreendais a que esperança fostes chamados, quão rica e gloriosa é a herança que ele reserva aos santos, 19. e qual a suprema grandeza de seu poder para conosco, que abraçamos a fé. É o mesmo poder extraordinário que 20. ele manifestou na pessoa de Cristo, ressuscitando-o dos mortos e fazendo-o sentar à sua direita no céu, 21. acima de todo principado, potestade, virtude, dominação e de todo nome que possa haver neste mundo como no futuro.* 22. E sujeitou a seus pés todas as coisas, e o constituiu chefe supremo da Igreja, 23. que é o seu corpo, o receptáculo daquele que enche todas as coisas sob todos os aspectos.*"
Efésios, 1 - Bíblia Católica Online

Leia mais em: https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/efesios/1/

 

Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar,
Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.
E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes.
Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.
Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.
E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.
E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.
Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.

Atos 1:1-11
Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar,
Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.
E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes.
Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.
Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.
E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.
E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.
Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.

Atos 1:1-11
Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar,
Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.
E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, disse ele, de mim ouvistes.
Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.
Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.
E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.
E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.
Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.

Atos 1:1-11

domingo, 24 de abril de 2022

As Mil Misericórdias

 


Vós morrestes  Jesus, mas uma fonte de vida jorrou para as almas e abriu-se um mar de misericórdia para o mundo. Ó fonte de vida, inescrutável misericórdia divina, envolvei o mundo todo e derramai-Vos sobre nós!
Ó Sangue e água, que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós!
Ato de Contrição:
Ó meu Jesus, crucificado por minha culpa, estou muito arrependido de ter feito pecado, pois ofendi a Vós que sois tão bom e mereci ser castigado neste mundo e no outro, mas perdoa-me Senhor, não quero mais pecar. Amém!
Invocação ao Espírito Santo:
(Esta invocação deve ser repetida durante o dia)
Vinde Espírito Santo, Vinde por meio da poderosa intercessão do Imaculado coração de Maria Vossa Amadíssima Esposa. (3X).
OFERECIMENTO:
Queremos rezar as mil misericórdias pela Santa Madre Igreja, pelas almas do Purgatório e para a conversão dos pecadores do mundo inteiro!
Existirá dor maior do que a que JESUS sentiu?
INICIANDO A RECITAÇÃO DAS MIL MISERICÓRDIAS:
Creio – Pai Nosso, Ave Maria.
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação)
1ª DOR:  Jesus entrou em agonia no Getsêmani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a decisão de um clínico. O suar sangue, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais. Para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro! (50x)
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação)
2ª DOR: O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens esmagaram Jesus. Tal tensão extrema produziu o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas. O sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
3ª DOR: Pilatos ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós,das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro! (50x)
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
4ª DOR: Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe, o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor.
.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
5ª DOR: As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro!
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
6ª DOR: Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo).
.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
– Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

 .

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
7ª DOR: Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da Cruz: pesa uns 50 quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos.
.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das alma, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
8ª DOR: Os soldados puxam Jesus com as cordas. O percurso, é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes  e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
9ª DOR: Sobre o Calvário tem início a crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
10ª DOR: Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim. O sangue começa a escorrer. Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pó e pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os algozes tomam as medidas. Com uma broca, é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos.
.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
11ª DOR: Os carrascos pegam um prego (um longo prego pontudo e quadrado), apoiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
12ª DOR: A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: Provoca uma síncope e faz perder a consciência.Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro.(50x)
.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!

(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
13ª DOR: O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam na estaca vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
14ª DOR: As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira. Cada vez que Jesus levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro.(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
15ª DOR: Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
16ª DOR: Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
17ª DOR: A respiração se faz, pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianótico.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D –  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
18ª DOR: Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita. Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
D – Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
19ª DOR: Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial. Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável!
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.
–  Pela Sua dolorosa paixão /
R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

.

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
(Opcional: pode-se apresentar mentalmente como intenção, o nome de uma pessoa viva, para conversão e salvação).
20ª DOR: Atraídas pelo sangue que ainda escorre e também pelo sangue coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde. Uma tortura que portanto já dura três horas. Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento:
“Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?”
Jesus grita: “Tudo está consumado!”.
Em seguida num grande brado diz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”.
E JESUS morre… em meu lugar… por causa dos meus pecados!
.
ETERNO PAI, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade, de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e os do mundo inteiro.

.D –  Pela Sua dolorosa paixão /

 R – Tende misericórdia de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro!(50x)

..

Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós!
Final
T – Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós, das almas, dos agonizantes e do mundo inteiro. (3x)
Canto
Vitória, Tu reinarás, Ó Cruz, Tu nos salvarás :/
1. Brilhando sobre o mundo/ que vive sem tua luz/ Tu és um sol fecundo/ de amor e de paz, ó Cruz.
2. Aumenta a confiança/ do pobre e do pecador/ confirma nossa esperança/ na marcha para o Senhor.
3. À sombra dos teus braços/ a Igreja viverá,/ Por ti no eterno abraço/ o Pai nos acolherá.
ORAÇÃO À DIVINA MISERICÓRDIA
Ó Deus de grande misericórdia, bondade infinita, eis que hoje a humanidade toda clama do abismo da sua miséria à Vossa misericórdia, à Vossa compaixão, ó Deus, e clama com a potente voz da sua miséria. Ó Deus clemente, não rejeiteis a oração dos exilados desta Terra. Ó Senhor, bondade inconcebível, que conheceis profundamente a nossa miséria e sabeis que, com nossas próprias forças, não temos condições de nos elevar até Vós, por isso Vos suplicamos: adiantai-Vos ao nosso pedido com a Vossa misericórdia, a fim de que possamos cumprir fielmente a Vossa santa vontade durante toda a nossa vida e na hora da morte. Que o poder da Vossa misericórdia nos defenda dos ataques dos inimigos da nossa salvação, para que aguardemos com confiança, como Vossos filhos, a Vossa vinda última, dia que somente Vós conheceis. E esperamos alcançar tudo o que Jesus nos prometeu, apesar de toda a nossa miséria, porque Jesus é a nossa Confiança; pelo Seu Coração misericordioso, como por uma porta aberta, entramos no Céu. Amém!

quarta-feira, 13 de abril de 2022

BOLETINS DO PADRE REGINALDO MANZOTTI DO ANO DE 2022

 BOLETIM DO DIA 12 DE JANEIRO

Filhos e filhas,

Ainda estamos na segunda semana de janeiro, tempo de reflexão e planejamento. Por isso, nesta mensagem quero destacar o Dom da Sabedoria, tão importante para que nossos empreendimentos em todas as áreas da nossa vida, inclusive na vida espiritual, tenham bom êxito.

E para entender o que é a Sabedoria, transcrevo aqui um trecho do capítulo 8 do livro de Provérbios:

12 Eu, a Sabedoria, sou vizinha da sagacidade, e tenho o conhecimento e a reflexão. 13 Temer ao Senhor é odiar o mal. Por isso, eu detesto o orgulho e a soberba, o mau comportamento e a boca falsa. 14 Eu possuo o conselho e o bom senso; a inteligência e a fortaleza me pertencem. 15 É através de mim que os reis governam e os príncipes decretam leis justas. 16 Através de mim, os chefes governam e os nobres dão sentenças justas. 17 Eu amo os que me amam, e os que me procuram me encontrarão. 18 Comigo estão a riqueza e a honra, a prosperidade e a justiça. 19 O meu fruto vale mais do que ouro puro, e a minha renda vale mais do que prata de lei. 20 Eu caminho pela trilha da justiça, e ando pelas veredas do direito, 21 para levar riquezas aos que me amam e encher os seus cofres. (Pr 8,12-21)

A sabedoria vem antes da criação, como o Catecismo da Igreja Católica nos explica:

Cremos que Deus criou o mundo segundo sua sabedoria. O mundo não é o produto de uma necessidade qualquer, de um destino cego ou do acaso. Cremos que o mundo procede da vontade livre de Deus, que quis fazer as criaturas participarem de seu ser, de sua sabedoria e de sua bondade: "Pois tu criaste todas as coisas; por tua vontade é que elas existiam e foram criadas". (Ap 4,11). (CIC 295).

Ou seja, estamos refletindo sobre a sabedoria que, por instância divina, desvela o mundo e a vida para quem a busca. O Catecismo da Igreja aponta:

Antes de se revelar ao homem em palavras de verdade, Deus se lhe revela pela linguagem universal da criação, obra de sua Palavra, de sua Sabedoria: a ordem e a harmonia do cosmo que tanto a criança como o cientista descobrem, "a grandeza e a beleza das criaturas levam, por analogia, à contemplação de seu Autor" (Sb 13,5), "pois foi a própria fonte da beleza que as criou" (Sb 13,3).

A Sabedoria é um eflúvio do poder de Deus, emanação puríssima da glória do Todo-Poderoso; por isso nada de impuro pode nela insinuar-se. É reflexo da luz eterna, espelho nítido da atividade de Deus e imagem de sua bondade (Sb 7,25-26). A sabedoria é mais bela que o sol, supera todas as constelações. Comparada à luz do dia, sai ganhando, pois, a luz cede lugar à noite, ao passo que, sobre a Sabedoria o mal não prevalece (Sb 7,29-30). Enamorei-me de sua formosura (Sb 8,2). (CIC 2500).

Que Deus abençoe e conceda sabedoria. Amém.

Padre Reginaldo Manzotti

 

 

 Boletim do dia 19 de Janeiro



Filhos e filhas,

Começo agradecendo todas as felicitações e principalmente orações pelos meus 27 anos de vida sacerdotal, que celebrei na última sexta-feira, dia 14. Sou muito feliz como padre e peço, com muita humildade, que rezem por mim.

Nos próximos dias, a liturgia nos reserva a memória de alguns santos mártires da Igreja: São Fabiano, São Sebastião (20/01) e Santa Inês (21/01). Aproveito para lembrar o que é o martírio de acordo com o Catecismo da Igreja Católica (n.2473):

“O martírio é o supremo testemunho dado em favor da verdade da fé; designa um testemunho que vai até à morte. O mártir dá testemunho de Cristo, morto e ressuscitado, ao qual está unido pela caridade. Dá testemunho da verdade da fé e da doutrina cristã. Suporta a morte com um ato de fortaleza. ‘Deixai-me ser comida das feras. É por elas que me será concedido chegar até Deus’ - Santo Inácio de Antioquia, Epistula ad Romanos, 4, 1: SC 10bis, p. 110 (Funk, 1, 256) ”. (CIC 2473)

Os mártires só alcançam essa graça, pois possuem uma profunda intimidade com Deus. É essa intimidade que nós também devemos buscar, para sempre testemunharmos Jesus Cristo no mundo. E para alcançar essa intimidade, a oração é fundamental no processo.

A oração transfigura, a oração transcende, a oração muda, a oração converte, a oração verdadeira nos impulsiona. Muitas vezes, nossas orações não estão sendo qualificativas, nós estamos sendo mecânicos, ritualistas, cumpridores e observadores, mas não estamos deixando nos tocar por Deus.

Está sendo um caminho de ida, mas não há o caminho de volta. Não porque Deus não quer, mas sim porque não deixamos, nós não O escutamos. Na mesma proporção que nos dedicamos a cuidarmos do corpo, devemos dedicar a cuidar do espírito. Se, na mesma proporção que buscamos manter a sobrevivência do corpo buscássemos manter a sobrevivência da alma, não seríamos tão doentes espiritualmente, desnutridos, desesperados e desgastados. Por isso, insisto tanto na disciplina, no reservar um momento para a intimidade com Deus.

A oração é um combate e nós devemos lutar contra tudo aquilo que nos faz desanimar. Como a sensação de fracasso, ressentimento, decepção, de não termos sido atendidos. Chamo a atenção para o que diz, um dos Padres do Deserto: “Não te aflijas quando não receberes imediatamente de Deus, o objeto de teu pedido: é que Ele quer fazer-te ainda maior bem, por tua perseverança em permanecer com Ele na oração” (Evágrio Pôntico).

Termino citando mais um grande Santo de nossa Igreja, Santo Afonso de Ligório: “É preciso que nos convençamos de que da oração depende todo o nosso bem. Da oração depende a nossa mudança de vida, o vencer das tentações; dela depende conseguirmos o amor de Deus, a perfeição, a perseverança e a salvação eterna”.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

 Boletim do dia 09 de Fevereiro

Filhos e filhas,

Estamos nos aproximando do dia de Nossa Senhora de Lourdes, dia 11/02, quando também é celebrado o Dia Mundial do Enfermo, sendo este ano o 30º. Em sua mensagem para esse dia, o Papa Francisco escolheu como tema “Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso” (Lc 6,36).

Assistir os enfermos é uma das Obras de Misericórdia. Lembrando que essas obras são inspiradas na Palavra de Deus e são tradição da Igreja (CIC § 2447), sete são obras de misericórdia espirituais e sete corporais.

Os Evangelhos relatam, abundantemente, momentos em que Jesus acolhe, atende, socorre e cura os doentes. Às vezes eram levados a Ele no entardecer (cf. Mc 1,32-34), em outras pediam que Ele fosse até a casa do enfermo, como fez o oficial que pediu a cura do filho que estava morrendo (cf. Jo, 4, 46-53). Vale lembrar a ação de Jesus, quando na casa de Pedro, cura sua sogra (cf. Mt 8, 14-15). Jesus se desdobrou em misericórdia para com os doentes.

A obra de misericórdia assistir os doentes começa na família quando se lida com doenças prolongadas e, às vezes, irreversíveis. Seja em qualquer idade ou por qualquer problema de saúde, que podem ser, entre tantos.

Trata-se também de um trabalho voluntário em hospitais, asilos e casas de recuperação terapêutica. Estende-se a uma pastoral urbana que visite e acompanhe aqueles que, nos grandes centros urbanos vivem a dor de sua enfermidade na solidão e no esquecimento.

De forma profética, esta obra de misericórdia questiona a ausência de uma pastoral de saúde, tanto em nossas comunidades paróquias, como nos hospitais, que efetivamente possam marcar presença nestes momentos de fragilidade e vulnerabilidade do ser humano.

Muitos se perguntam: o que fazer para um doente gravemente enfermo? A resposta é simples, às vezes nada, apenas “estar” presente junto ao que sofre. Misericórdia e solidariedade é estar perto de quem sofre, mesmo sem entender a extensão do sofrimento, pois o pulsar e o latejar da dor é próprio só de quem está machucado.

Assistir os doentes até o fim é uma obra de misericórdia conflitante a toda e qualquer ideia de eutanásia e similares. Implica inclusive em oferecer, além de recursos físicos e terapêuticos necessários, a assistência religiosa e espiritual. Fato este que familiares estão se esquecendo e negligenciando.

Tudo isso na gratuidade em servir os mais necessitados e sofredores, sabendo que Nossa Senhora nunca abandona o cuidado com os seus filhos. Por isso, convido a todos a rezarmos pelos enfermos, pedindo a intercessão de Nossa Senhora de Lourdes:

Nossa Senhora de Lourdes, Virgem Santíssima e Mãe,

Vós que aparecestes a Bernadete em uma gruta, mostrando que no silêncio da vida encontramos o Deus revelado.

Nossa Senhora de Lourdes, quando ela cavou o chão, viu brotar o olho d'água, lembrando Jesus, fonte de Água Viva.

Nossa Senhora, milhares e milhares de pessoas, durante todo o ano, se dirigem à gruta de Lourdes, em macas, cadeiras de rodas, levadas pela motivação da restauração da fé e da recuperação da saúde.

Nossa Senhora, intercedei perante Deus por todos os enfermos, de um modo particular aquelas que estão num leito de hospital.

Sim, Virgem, aqueles que hoje irão fazer uma cirurgia e pediram nossas orações.

Todos os que estão abandonados pelas famílias, aqueles que estão nas UTIs, nas enfermarias, nos leitos das casas, nos corredores dos hospitais.

Aqueles que não têm a oportunidade de ter um tratamento digno, aqueles que estão desenganados dos médicos.

Nossa Senhora de Lourdes, fazei derramar a graça de Deus sobre estas pessoas.

Virgem Mãe, intercedei por nós e obtende a graça de que necessitamos.

Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós e por todos os enfermos.

Amém.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

 Boletim do dia 16 de Junho

Filhos e filhas,

"Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue verdadeiramente uma bebida" (Jo 6,54-55). 

Começo essa reflexão com um versículo sobre o Pão da Vida, que é Jesus, para nos lembrarmos de que Corpus Christi, celebrado nesta quinta-feira. Este dia não é somente um feriado, já que para nós católicos é um dia de manifestarmos publicamente nossa fé em Jesus Cristo, presente na Sagrada Eucaristia. 

Em minhas homilias e reflexões tenho falado do privilégio e da responsabilidade de sermos a única Igreja em que Jesus se faz presente em corpo, sangue, alma e divindade em nossos sacrários. Tenho exaltado a importância de que em toda quinta-feira faça-se uma visita a Capela do Santíssimo, prestar alguns minutos, pelo menos, de adoração. 

Reforço essa recomendação porque é na Eucaristia, filhos e filhas, que Jesus oferece a si mesmo como força espiritual para nos ajudar na caminhada rumo ao céu, principalmente a colocar em prática o mandamento de amar uns aos outros como Ele nos amou. 

No capítulo 6 do Evangelho segundo São João, conhecido como discurso do “Pão da Vida”, Jesus afirma que ele é “o pão vivo que desceu do céu”, ou seja, Ele nos diz que o Pai o enviou ao mundo como o alimento de vida eterna e por isso Ele vai sacrificar a si mesmo, a sua carne. 

Na cruz, Jesus deu o seu corpo e derramou o seu sangue. O Filho do homem crucificado é o verdadeiro Cordeiro pascal, que nos faz sair da escravidão do pecado e nos apoia no caminho para a terra prometida. E a Eucaristia é o Sacramento da sua carne, dada para vivificar o mundo. Quem se nutre deste alimento permanece em Jesus e vive por Ele. 

Nutrir-se de Jesus na Eucaristia significa abandonar-nos com confiança a Ele e deixar-nos guiar por Ele. Trata-se de acolher Jesus no lugar do próprio “eu”. Desta forma, o amor gratuito recebido de Cristo na Comunhão eucarística alimenta o nosso amor por Deus e pelos nossos irmãos que encontramos no cada dia. 

Por fim, finalizo esta mensagem com um trecho da belíssima Lauda Sion, de São Tomás de Aquino, para nossa reflexão nesta Solenidade de Corpus Christi: 


Faz-se carne o pão de trigo, 

faz-se sangue o vinho amigo: 

deve-o crer todo cristão. 

 

Se não vês nem compreendes, 

gosto e vista tu transcendes, 

elevado pela fé. 

 

Pão e vinho, eis o que vemos; 

mas ao Cristo é que nós temos 

em tão ínfimos sinais... 

 

Alimento verdadeiro, 

permanece o Cristo inteiro 

quer no vinho, quer no pão. 

 

É por todos recebido, 

não em parte ou dividido, 

pois inteiro é que se dá! 

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

 


Filhos e filhas,

Tenho convicção de que para Deus nada é impossível. Ele está sempre pronto a nos escutar e não é indiferente às contingências da nossa vida, especialmente aquelas que nos impõem maior dificuldade.

Trago esse tema inspirado na santa que a Igreja celebra no próximo domingo, dia 22 de maio, Santa Rita de Cássia, a santa das causas impossíveis. Ela traz esse título porque em sua própria vida enfrentou provações que pareciam intransponíveis, mas confiando na ação divina, venceu todas.

O exemplo dela só reafirma que, quando Deus permite a ocorrência de uma provação, Ele está agindo como Pai zeloso, que utiliza esses desafios para nosso amadurecimento e para nos transmitir lições valiosas, porque nos ama. Como afirma a Carta aos Hebreus: “O Senhor corrige a quem ele ama e castiga a quem aceita como filho. E qual é o filho que não é corrigido pelo pai? Pelo contrário, se vocês não são corrigidos como acontece com todos, então vocês são bastardos e não filhos” (Heb 12, 6-8).

Vale lembrar que mesmo as situações difíceis podem trazer boas oportunidades, já que muitas pessoas crescem e conseguem se estabelecer em tempos de crise. Espiritualmente, também podemos colher bons frutos, pois toda tribulação traz consigo um estímulo à verdadeira conversão, levando-nos à perseverança e a uma profunda experiência com Deus.

Cabe a nós não dar ouvidos às investidas do Inimigo e manter a serenidade. Se ficarmos apavorados, imersos em pensamentos negativos — “Deus se esqueceu de mim!”, “Deus não me ama!”, ou “Por que Deus não me escuta?” —, estaremos agindo exatamente como o Diabo quer.

Não há montanha que o Deus do impossível não consiga mover. Se a graça está demorando é porque o Altíssimo está caprichando e preparando o melhor para nós. A oração que sai de nosso coração não passa despercebida e atinge o coração de Deus.

Acredite: Ele tem os melhores planos para nós, conforme revelou o profeta: “Sim, eu conheço os desígnios que formei a vosso respeito — oráculo do Senhor —, desígnios de paz e não de desgraça, para vos dar um futuro e uma esperança. Vós me invocareis, vireis e rezareis a mim, e eu vos escutarei. Vós me procurareis e me encontrareis, porque me procurareis de todo coração; eu me deixarei encontrar por vós” (Jr 29, 11-14).

Façamos, portanto, uso daquilo que o Senhor quer dar. Não me refiro a bens materiais, mas à força, à paz e à serenidade para carregarmos a cruz de cada dia. Sigamos o conselho do apóstolo Paulo: “Não vos inquieteis com nada; mas apresentai a Deus todas as vossas necessidades pela oração e pela súplica, em ação de graças. Então, a paz de Deus, que excede toda a compreensão, guardará os vossos corações e pensamentos, em Cristo Jesus” (Fl 4, 6-7).

Quando existe fé verdadeira, não há lugar para incertezas. Todos os dias, somos chamados a reagir de diferentes modos diante das dificuldades e o Senhor Jesus está a garantir: “Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força” (2 Cor 12, 9a).

O sofrimento aproxima-nos d’Ele e é n’Ele que devemos depositar nossa confiança. Isso significa que, para superarmos esses momentos de tribulação, não devemos concentrar nossa atenção nas dificuldades e sim na presença de Jesus, que disse: “Neste mundo, tereis aflições, mas tende coragem; eu venci o mundo” (Jo 16, 33).

Jesus é nosso parceiro de caminhada, assim como foi de Santa Rita de Cássia, dando-nos força e segurança. Ele venceu a morte e prometeu estar conosco até o fim. Com Ele nos amparando, não há o que temer. No amor a Jesus, pelas Suas Santas Chagas, a vitória chegará.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti