quarta-feira, 3 de agosto de 2016

MÊS DE AGOSTO





Santo Afonso ou Alfonso ou Alphonso de Liguori

m abril de 1729 Alfonso foi viver no Colégio Chinês fundado em Nápoles pelo Padre Mateus Ripa, Apóstolo da China. Lá conheceu Tomas Flacoia, fundador da congregação dos Trabalhadores Piedosos. Esta amizade fez com que Alfonso, em associação com a Irmã Maria Celeste, fundasse a Congregação dos Mais Santos Redentores, em 9 de Novembro de 1732. A fundação enfrentou desde o início vários problemas e após um ano ele, um irmão leigo e outros companheiros se retiraram, para fundar sua própria organização religiosa.
Ele começou de novo, recrutando novos membros e em 1743 tornou-se o Prior de duas novas congregações, uma para homens e outra para mulheres. O Papa Benedito XIV ( 1740-1758) deu sua aprovação para a Congregação dos homens em 1749 e das mulheres em 1750. Alfonso fazia missões e pregações nas áreas rurais e escreveu vários ensaios importantes. Ele recusou-se a ser bispo de Palermo, mas em 1760 aceitou o comando papal de chefiar a Sé de Santa Ágata no Goths, perto de Napoles. Ali ele descobriu mais de 30.000 homens e mulheres analfabetos e 400 padres indiferentes. Por 13 anos, ele alimentou os pobre, instruiu as famílias, reorganizou os seminários, as casas religiosas, ensinou teologia e escreveu vários tratados. Sua austeridade era rigorosa e ele sofria de reumatismo, que começou a deformar o seu corpo. Ele passou vários anos tendo que beber através de tubos, porque sua cabeça não podia inclinar para a frente
.

Atacado de febre reumática, de maio de 1768 a junho de 1769, que o deixou paralítico, ele finalmente deixou sua Sé, em 1775.
Em 1780 Afonso, foi enganado em assinar, um termo de submissão, para obter a aprovação Real de sua Congregação. A submissão alterou as regras originais e como resultado, Alfonso foi destituído de sua autoridade entre os Redentoristas.
Deposto e excluído de sua própria congregação, Alfonso sofreu grande angustia, mas como que para superar a sua depressão, ele teve visões e executou vários milagres e fez varias profecias que se concretizaram. Ele morreu pacificamente no dia 1 de agosto de 1787 em Nocera di Pagani, perto de Nápoles e o sino de Angelus tocou inexplicavelmente na igreja matriz. Alfonso foi beatificado em 1816 e em 1839 foi canonizado. Em 1871 Alfonso foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio IX.
Seus escritos sobre moral, teologia, e em assunto complexos, controvertidos e apócrifos, tiveram grande impacto e sobreviveram por anos especialmente seu trabalho "Teologia Moral" e "As Glorias de Maria". Ele é ainda considerado um grande especialista na Virgem Maria (mariólogo). Ele foi enterrado no monastério de Pagani. Templos em sua honra foram construídos em Santa Agatha de Goths. Ele é o padroeiro dos confessores, teólogos, e apostolado leigo e das vocações.
A liturgia católica ele é mostrado com o corpo curvado pelo reumatismo .

Sua festa é celebrada em 1 de agosto.

NA: Cumpre notar que a imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro após ter sido encontrada em 1746 foi colocada, em 26 de abril de 1866, na Igreja de Santo Afonso em Roma e tem sido a ele atribuído as graças obtidas através da sua intercessão junto a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

 

 










outras mensagens nesse link > http://suelysanches.blogspot.com.br/2013/07/vocacao-vida-religiosa.html

SER PADRE:

É alguém escolhido por Deus, dentro de uma comunidade, no seio de uma família, para ser o continuador da obra salvadora de Jesus. Ele assume a missão de construir a comunidade. Por graça e vocação, o padre age em nome de Jesus: ele perdoa os pecados, ele reconcilia seus irmãos com Deus e entre si; ele trás a bênção de Deus para todos.
O padre é aquele que celebra a vida de Deus na vida da comunidade. Na Celebração Eucarística, ele trás Jesus para as comunidades. A Eucaristia é a razão primeira do sacerdócio. O padre alimenta seus fiéis por esse sacramento, pela sua pregação e pelo seu testemunho.
Padre é o modelo por excelência de Jesus Cristo, o bom Pastor. Por esse motivo ele deve ser como o Cristo Pastor. O Padre deve ser o pastor atencioso de seu rebanho.
Deve guiar por bons caminhos, orientando nas dificuldades e prevenindo quando necessário. Deve defender seus irmãos dos lobos modernos que devoram os menos esclarecidos e dos ladrões que atacam, que confundem e dispersam o único rebanho do Senhor.
Padre é o homem de Deus que deve estar no meio do povo: nas Paróquias, nas Pastorais, nos Seminários, nos Hospitais, nas Escolas e Faculdades, nos Meios de Comunicação Social, nas Comunidades Inseridas e entre os mais pobres e marginalizados… É um sinal de que o Reino de Deus existe entre nós.

Parabéns a todos os Padres


São João Batista Vianney, o Cura d’Ars

João Maria Batista Vianney (1786-1859) nasceu em Dardilly, França no dia 8 de maio de 1786 filho de um criador de ovelhas. Na idade de 20 anos começou a estudas para ser padre mas foi recrutado e teve que entrar no exército. Desertando ele voltou para casa em 1810 e foi para o seminário de Lyons em 1813.Joao foi ordenado por causa de sua bondade, porque normalmente não poderia ordenado devido as suas dificuldades nos estudos especialmente no Latin, língua exigida para rezar a missa na época. O Abade Balley de Ecully pessoalmente interveio para que João fosse designado para Ecully. Em 1813 ele tornou-se Cura como Pastor de Ars, o Cura d’Ars. Sua missão era conduzir o confessionário, e até o final de sua vida ele ficou 17 a 18 horas por dia administrando o sacramento da Confissão, Penitencia ou Reconciliação para milhares que viam a Ars. 

Ele ajudou a fundar "La Providence" , uma casa para crianças órfãs e abandonadas. João era dotado de um espirito de discernimento e lia almas conseguindo que católicos relapsos voltassem a ser bons e devotados cristãos. Ele também construiu um santuário a Santa Filomena, um local que logo tornou-se um santuário muito popular e com grande peregrinação e devotos. Por 30 anos ele sofreu vários ataques alguns de seus colegas padres que o acusaram que ele era muito ignorante para ser o Cura d’Ars. Mas mais tarde, reconhecido como o melhor "Cura D’Ars" , ele recusou todas as honras e promoções que lhe foram oferecidas e morreu em Ars em 1859. Foi canonizado em 1925 e foi indicado pelo Papa o padroeiro dos padres paroquiais.

Sua festa é celebrada no dia 4 de agosto.

11/08 - Santa Clara

Clara nasceu em Assis, no ano 1193, no seio de uma família da nobreza italiana, muito rica, onde possuía de tudo. Porém o que a menina mais queria era seguir os ensinamentos de Francisco de Assis. Aliás, foi Clara a primeira mulher da Igreja a entusiasmar-se com o ideal franciscano. Sua família, entretanto, era contrária à sua resolução de seguir a vida religiosa, mas nada a demoveu do seu propósito. No dia 18 de março de 1212, aos dezenove anos de idade, fugiu de casa e, humilde, apresentou-se na igreja de Santa Maria dos Anjos, onde era aguardada por Francisco e seus frades. Ele, então, cortou-lhe o cabelo, pediu que vestisse um modesto hábito de lã e pronunciasse os votos perpétuos de pobreza, castidade e obediência. Depois disso, Clara, a conselho de Francisco, ingressou no Mosteiro beneditino de São Paulo das Abadessas, para ir se familiarizando com a vida em comum. Pouco depois foi para a Ermida de Santo Ângelo de Panço, onde Inês, sua irmã de sangue, juntou-se a ela. Pouco tempo depois, Francisco levou-as para o humilde Convento de São Damião, destinado à Ordem Segunda Franciscana, das monjas. Em agosto, quando ingressou Pacífica de Guelfúcio, Francisco deu às irmãs sua primeira forma de vida religiosa. Elas, primeiramente, foram chamadas de "Damianitas", depois, como Clara escolheu, de "Damas Pobres", e finalmente, como sempre serão chamadas, de "Clarissas". Em 1216, sempre orientada por Francisco, Clara aceitou para a sua Ordem as regras beneditinas e o título de abadessa. Mas conseguiu o "privilégio da pobreza" do papa Inocêncio III, mantendo, assim, o carisma franciscano.

 O testemunho de fé de Clara foi tão grande que sua mãe, Ortolana, e mais uma de suas irmãs, Beatriz, abandonaram seus ricos palácios e foram viver ao seu lado, ingressando também na nova Ordem fundada por ela. A partir de 1224, Clara adoeceu e, aos poucos, foi definhando. Em 1226, Francisco de Assis morreu e Clara teve visões projetadas na parede da sua pequena cela. Lá, via Francisco e os ritos das solenidades do seu funeral que estavam acontecendo na igreja. Anteriormente, tivera esse mesmo tipo de visão numa noite de Natal, quando viu, projetado, o presépio e pôde assistir ao santo ofício que se desenvolvia na igreja de Santa Maria dos Anjos. Por essas visões, que pareciam filmes projetados numa tela, santa Clara é considerada Padroeira da Televisão e de todos os seus profissionais. Depois da morte de são Francisco, Clara viveu mais vinte e sete anos, dando continuidade à obra que aprendera e iniciara com ele. Outro feito de Clara ocorreu em 1240, quando, portando nas mãos o Santíssimo Sacramento, defendeu a cidade de Assis do ataque do exercito dos turcos muçulmanos. No dia 11 de agosto de 1253, algumas horas antes de morrer, Clara recebeu das mãos de um enviado do papa Inocêncio IV a aguardada bula de aprovação canônica, deixando, assim, as sua "irmãs clarissas" asseguradas. Dois anos após sua morte, o papa Alexandre IV proclamou santa Clara de Assis.

 

                                 14/08 - São Maximiliano Maria Kolbe

Maximiliano Maria Kolbe nasceu no dia 8 de janeiro de 1894, na Polônia, e foi batizado com o nome de Raimundo. Sua família era pobre, de humildes operários, mas muito rica de religiosidade. Ingressou no Seminário franciscano da Ordem dos Frades Menores Conventuais aos treze anos de idade, logo demonstrando sua verdadeira vocação religiosa. No colégio, foi um estudante brilhante e atuante. Na época, manifestou seu zelo e amor a Maria fundando o apostolado mariano "Milícia da Imaculada". Concluiu os estudos em Roma, onde foi ordenado sacerdote, em 1918, e tomou o nome de Maximiliano Maria. Retornando para sua pátria, lecionou no Seminário franciscano de Cracóvia. O carisma do apostolado de padre Kolbe foi marcado pelo amor infinito a Maria e pela palavra: imprensa e falada. A partir de 1922, com poucos recursos financeiros, instalou uma tipografia católica, onde editou uma revista mariana, um diário semanal, uma revista mariana infantil e uma revista em latim para sacerdotes. Os números das tiragens dessas edições eram surpreendentes. Mas ele precisava de algo mais, por isso instalou uma emissora de rádio católica.

Chegou a estender suas atividades apostólicas até o Japão. O seu objetivo era conquistar o mundo inteiro para Cristo por meio de Maria Imaculada. Mas teve de voltar para a Polônia e cuidar da direção do seminário e da formação dos novos religiosos quando a Segunda Guerra Mundial estava começando. Em 1939, as tropas nazistas tomaram a Polônia. Padre Kolbe foi preso duas vezes. A última e definitiva foi em fevereiro de 1941, quando foi enviado para o campo de concentração de Auschwitz. Em agosto de 1941, quando um prisioneiro fugiu do campo, como punição foram sorteados e condenados à morte outros dez prisioneiros. Um deles, Francisco Gajowniczek, começou a chorar e, em alta voz, declarou que tinha mulher e filhos. Padre Kolbe, o prisioneiro n. 16.670, solicitou ao comandante para ir em seu lugar e ele concordou. Todos os dez, despidos, ficaram numa pequena, úmida e escura cela dos subterrâneos, para morrer de fome e sede. Depois de duas semanas, sobreviviam ainda três com padre Kolbe. Então, foram mortos com uma injeção venenosa, para desocupar o lugar. Era o dia 14 de agosto de 1941. Foi beatificado em 1971 e canonizado pelo papa João Paulo II em 1982. O dia 14 de agosto foi incluído no calendário litúrgico da Igreja para celebrar são Maximiliano Maria Kolbe, a quem o papa chamou de "padroeiro do nosso difícil século XX". Na cerimônia de canonização estava presente o sobrevivente Francisco Gajowniczek, dando testemunho do heroísmo daquele que se ofereceu para morrer no seu lugar.

 

 

                                                Oração Vocacional

Senhor da messe e pastor do rebanho, faz ressoar em nossos ouvidos teu forte e suave convite: "Vem e segue-me". Derrama sobre nós o teu Espírito, que Ele nos dê sabedoria para ver o caminho e generosidade para seguir tua voz. Senhor, que a messe não se perca por falta de operários. Desperta nossas comunidades para a missão. Ensina nossa vida a ser serviço. Fortalece os que querem dedicar-se ao Reino, na vida consagrada e religiosa. Senhor, que a messe não se perca por falta de pastores. Sustenta a fidelidade de nossos bispos, padres, consagrados e leigos. Dá perseverança aos nossos seminaristas e vocacionados. Desperta o coração de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja. Senhor da messe e pastor do rebanho, chama-nos para o serviço do teu povo. Maria, mãe da Igreja, modelo dos seguidores do Evangelho, ajuda-nos a responder sim. Amém.
Fonte: CNBB
Ir. Zuleides M. de Andrade, ASCJ
Comunicação para a Pastoral