quinta-feira, 21 de março de 2019

MEU QUERIDO SÃO JOSÉ

"Ó glorioso São José, a quem foi dado o poder de tornar possíveis as coisas humanamente impossíveis, vinde em nosso auxílio nas dificuldades em que nos achamos. Tomai sob a vossa proteção a causa que vos confiamos, para que tenha uma solução favorável.

(faça o seu pedido)

Ó São José muito amado, em vós depositamos toda nossa confiança. Já que tudo podeis junto a Jesus e Maria, mostrai-nos que a vossa bondade é igual ao vosso poder.

São José, a quem Deus confiou o cuidado da Sagrada Família, protegei, amparai e providenciai esta causa que peço agora.

Saúde física e psíquica… São José, Providenciai.

Emprego…

Cura das feridas da alma…

Harmonia na vida familiar…

Restauração do Matrimônio…

Solução na justiça…

Amparo na velhice…

O pão nosso de cada dia…

Estabilidade na vida financeira…

(coloque outras causas para São José, providenciai)

São José, alcançai-nos a graça de vivermos e morrermos no amor de Jesus e Maria.

São José, providenciai!

São José, providenciai!

São José, providenciai!"

Oremos: Deus, em vossa Providência, infinitamente sábia, escolheu São José para esposo da Virgem Santíssima. Concedei-nos que aquele mesmo que veneramos como protetor, mereçamos tê-lo no céu por nosso intercessor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Resultado de imagem para imagem de são josé dormindo 
Em todos lugares procuro ter uma imagem de São José dormindo, propago o que aprendi com o Papa Francisco: “Eu gostaria de dizer a vocês também uma coisa muito pessoal. Eu gosto muito de São José porque é um homem forte e de silêncio. No meu escritório, eu tenho uma imagem de São José dormindo, e dormindo, ele cuida da Igreja. Quando eu tenho um problema ou uma dificuldade, e o escrevo em um papelzinho e o coloco embaixo da imagem de São José, para que ele sonhe sobre isso. Isso significa: para que ele reze por este problema”.
São José, mesmo dormindo continua intercedendo por nós, pelas famílias e pela Igreja. O culto a São José começou no século IX e um dos primeiros títulos que utilizaram para honrá-lo foi “nutritor Domini”, que significa “guardião do Senhor”. Ele ainda é o padroeiro da Igreja Universal, da boa morte, das famílias, dos pais, das mulheres grávidas, dos viajantes, dos imigrantes, dos artesãos, dos engenheiros e trabalhadores. E também é padroeiro das Américas, Canadá, China, Croácia, México, Coréia, Áustria, Bélgica, Peru, Filipinas e Vietnã. (Padre Reginaldo Manzotti)

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

BOLETINS DO PADRE REGINALDO MANZOTTI - 2019

  Boletim do dia 09 de Janeiro

Filhos e filhas, 

Já estamos na segunda semana de 2019, acredito que já tenha traçado suas metas e objetivos para esse novo ano e, aqui, chamo atenção para um aspecto importante de nossa vida que não pode ser esquecido: nossa vida espiritual.

Antes de tudo, devemos dar graças ao Senhor e confiar a Ele nossas preocupações por meio de nossas orações, conforme São Paulo recomenda: “Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias, apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças” (Fl 4,6).

Depois, devemos deixar que o Espírito Santo nos conduza, tendo como farol a Igreja, que nos ensina como mãe e mestra, e nos faz recordar de tudo o que Jesus disse, nos educando para a vida de fé.

Colocado isso, sugiro dicas práticas para termos um ano rico espiritualmente:

- Não é possível ter fé sem conhecer a Palavra de Deus. Procure estimular a fé através de leitura Bíblica e artigos religiosos, assista a filmes de histórias bíblicas. Pesquise sobre a vida dos santos.

- Tenha disciplina na oração. Crie um espaço e o hábito de oração diária. Não se preocupe em se dirigir a Deus com palavras difíceis ou muitas palavras. Ele nos conhece e sabe o que vai em nosso coração. Nenhuma oração passa despercebida ao seu conhecimento, porque Ele nos ama. Se não somos atendidos como queríamos, somos atendidos como necessitamos.

Nenhuma oração se perde, todas as preces chegam a Deus, mesmo quando não sabemos o que é essencial a nós suplicar no momento. Sobre isto São Paulo nos tranquiliza ensinado que: “Da mesma forma, o Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis” (Rm 8,26).

- Exercite a caridade. Fé e caridade caminham juntas, conforme adverte São Tiago: “Se alguém diz que tem fé, mas não tem obras, que adianta isso? Por acaso a fé poderá salvá-lo? Por exemplo: um irmão e uma irmã não têm o que vestir e lhes falta o pão de cada dia. Então, alguém de vocês diz para eles: ‘Vão em paz, aqueçam-se e comam bastante’. No entanto, não lhes dá o necessário para o corpo. Que adianta isso?”. Assim também é a fé: sem as obras ela está completamente morta. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. “Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras” (Tg 2,14-18).

- Obediência a Deus. A característica fundamental da fé é a obediência, a submissão a Deus e à Sua verdade revelada. “Quem diz que conhece a Deus, mas não cumpre os Seus mandamentos, é mentiroso e a verdade não está nele. (1Jo 2,4).

- Mantenha a confiança no Senhor. Lembre-se que Ele nos ama e nos amou primeiro (1Jo 4,19). A esperança deve ser renovada e fortalecida. A esperança nos impulsiona a dar um passo a mais no crescimento espiritual e não nos deixa desanimar mesmo em meio às maiores tribulações.

- Participe dos sacramentos. A fé é alimentada dentro da Igreja, sobretudo, na participação dos sacramentos da confissão e da comunhão.

- Seja ousado na fé. Às vezes, por timidez ou pelo fato de estarmos condicionados a uma rotina, deixamos de arriscar e não tomamos posse daquilo que Jesus nos oferece.

- Respeite todas as religiões, mas seja firme na sua. Quem segue muitas, não vivencia nenhuma.

Se assim fizermos, teremos ao final do ano um coração abrasado de amor e muito mais próximo de Deus.

Deus os abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 20 de Fevereiro

Filhos e filhas, 

Nessa semana, no Santuário Nossa Senhora de Guadalupe, começamos uma novena suplicando: Jesus, pelas Vossas Santas Chagas, lavai-nos, purificai-nos, perdoai-nos e seremos salvos. Serão nove terças-feiras nesse pedido, quem puder, pode acompanhar pela TV Evangelizar às 12h.

O perdão, filhos e filhas, nos purifica, nos lava e principalmente nos liberta. É um mandamento de Jesus e nós somos constantemente perdoados por Deus, que nos amou primeiro. E, porque somos perdoados e amados por Deus, devemos também perdoar. Mas sejamos honestos, ao perdoar não agimos só movidos por amor, por complacência ou benevolência, perdoamos porque foi isso que Jesus nos pediu.

Quem se fecha à graça do perdão fica preso ao passado, à dor, à magoa, à raiva e, às vezes, até ao desejo de vingança, sentimentos tóxicos que acabam bloqueando o futuro. Além disso, podem gerar doenças psicossomáticas, pois reduzem a imunidade do organismo e abrem espaço para as enfermidades oportunistas.

Há, também, aqueles que acham difícil perdoar, porque ainda não entenderam que perdoar não se trata de desculpar ou minimizar a ofensa sofrida e fingir que nada aconteceu. Agir dessa forma significa mascarar o problema, como colocar um curativo em cima de uma ferida que ainda contém sujeira. Ela pode até aparentar estar cicatrizada, mas, por baixo da casca, a infecção permanece.

Insisto: a ferida precisa ser raspada, sangrada, para haver cicatrização. Desculpar não é perdoar, e o perdão só cura quando reconhecemos a dor, conversamos sobre a ofensa e, apesar de admitir ao outro que ele agiu mal e nos machucou, escolhemos não alimentar a tristeza, não guardar ressentimentos e, em Deus, perdoamos suas fraquezas e limitações.

Quando se perdoa, não se esquece. A memória do que passamos não se apaga e nem Deus pede que a apaguemos, mas, se no momento em que lembrarmos daquilo que nos fizeram, o sentimento que brotar for mágoa ou dor, é sinal de que não houve perdão.

Quando perdoamos de fato, a lembrança daquilo que foi cometido contra nós deixa de ter poder destrutivo e não desperta mais emoções negativas, dando-nos força para prosseguir. Já os que não trilham esse caminho, tendem a se tornar agressivos e vingativos.

Não guardemos magoas, não fiquemos rancorosos, não azedemos nossa alma, porque a ausência do perdão bloqueia até a oração. Toda a pessoa que tem muita dificuldade de rezar devia se perguntar, se não está com excesso de mágoa, de inimizade? Qual a relação? É bíblico: “Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta”. (Mt 5,23-24)

Então, a falta de perdão causa um bloqueio em nossa comunhão com Deus e com o irmão. Na verdade, somente perdoa quem entendeu o valor do perdão recebido de Deus. Quanto mais uma pessoa vive a experiência desse amor e perdão, maior é a sua capacidade de perdoar.

O perdão cura, liberta e propicia crescimento pessoal e espiritual.

Deus os abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 23 de Janeiro

Filhos e filhas, 

Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).
Esse é o tema da JMJ que está acontecendo no Panamá até o próximo dia 27 de janeiro. Desde já colocamos em oração todo o evento, que o Espírito Santo ilumine todos os envolvidos, principalmente os jovens, para que sejam fortalecidos na esperança e na construção de um mundo mais justo e generoso.
O Papa Francisco em sua mensagem para a Jornada Mundial da Juventude 2019 chama os jovens para, como Maria, escutar a voz do Senhor e responder com um sim audaz e generoso porque não existe vocação ao egoísmo. O próprio Jesus nos ensina que os principais mandamentos são amar a Deus com todo o seu coração, alma e entendimento e ao próximo como a ti mesmo (cf. Mt 22,36-39).
Nossa generosidade, pedida pelo Papa Francisco aos jovens e a todos nós, deve ser exercitada em nosso cotidiano, a quem encontrarmos em necessidade, como nos ensina Jesus na parábola do Bom Samaritano (cf. Lc 10,25-37). Deus nos faz um apelo para que sejamos como Jesus, o Bom Samaritano, por excelência.
No texto da parábola o interlocutor de Jesus pergunta sobre quem é o próximo. Sejamos sinceros: se pudéssemos escolher nosso próximo e o momento de fazer a caridade seria mais fácil. Entretanto, o próximo se impõe e a necessidade do outro não escolhe horário.
O “próximo” não somos nós que escolhemos, é a vida que nos interpõe. Ninguém pode escolher seu “próximo”, é o momento que nos traz. Podemos estar saindo para comprar pão e o “próximo” estar ali entre a casa e a panificadora. Às vezes, o próximo se coloca em nossa vida como se colocou na vida do sacerdote que virou as costas e foi embora, na vida do levita que também passou e não se comoveu.
Nós devemos aprender com Jesus que é o Bom Samaritano! Quando Ele conta a Parábola está falando isso, somos chamados a sermos hoje e sempre Bons Samaritanos. Fico pensando naquele homem que apanhou dos ladrões e foi deixado, todo machucado, quase morto e, Jesus diz que o samaritano o levou para a hospedaria.
Jesus é aquele que é capaz de passar pelos caminhos e acolher aqueles que estão precisando de misericórdia. Ele os leva para a hospedaria, que é seu coração. Conforta-me pensar que Jesus age dessa forma, recolhendo aqueles que caíram, e se perderam, porque se não nos cuidarmos nos perdemos.
Por isso, quanto mais pudermos sejamos misericordiosos. Perdoemos mais. Se alguém nos fez alguma ofensa, perdoemos. Quando tivermos oportunidade de revidar, não revidemos. Se alguém nos fizer mal, nos fizer desaforos e tivermos oportunidade de passar para a frente, falar mal, mesmo que estejamos cobertíssimos de razão, é nessa hora que somos chamados a dizer: “Não, eu não vou falar. Eu vou relevar”. Isso conta pontos no céu e Deus agirá dessa forma conosco.
Sempre fique com essa imagem: “Eu quero ser o Bom Samaritano”. A compaixão é uma atitude tão profundamente humana quanto divina, por isso, deixemo-nos amar pelo Bom Samaritano e amemos nosso próximo como Bom Samaritano.
Deus os abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 30 de Janeiro 

Filhos e filhas, 
Ainda início de ano, tempo de reflexão, de tomada de decisão sobre como viver 2019 Eu digo uma coisa, não importa o que decidir, se colocar Jesus como seu companheiro para todas as horas, certamente a caminhada será mais leve.
Antes que me responda que Jesus já está na sua vida, eu o convido a pensar: Você já fez o encontro verdadeiro com Jesus? Aquele encontro que muda tudo? Muitas pessoas estão tomadas por sentimentos negativos, com feridas na alma que as levam a acreditar que a situação em que se encontram não tem mais jeito e a depressão toma conta de suas vidas.
Será que não estão precisando de um encontro verdadeiro com Jesus? Com muita insistência nosso querido Papa Francisco tem nos exortado ao “encontro” com Jesus. Um encontro capaz de nos curar e transformar nossas vidas.
O relacionamento com Jesus cura a visão da nossa própria existência e esta adquire um novo sentido. Quem faz essa experiência do “encontro” fica tão preenchido de Jesus que não consegue reter só para si a graça, a alma, o coração curado se torna um coração evangelizador.
Um exemplo, que chama a atenção para a importância do nosso encontro pessoal com Jesus, encontra-se no Evangelho de São João: “No dia seguinte, Jesus decidiu partir para a Galileia. Encontrou Filipe e disse: “Siga-me.” Filipe era de Betsaida, cidade de André e Pedro. Filipe se encontrou com Natanael e disse: “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei e também os profetas: é Jesus de Nazaré, o filho de José.” Natanael disse: “De Nazaré pode sair coisa boa?” Filipe respondeu: “Venha e você verá.” Jesus viu Natanael aproximar-se e comentou: “Eis aí um israelita verdadeiro, sem falsidade.” Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe chamasse você, eu o vi quando você estava debaixo da figueira”. Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel!” Jesus disse: “Você está acreditando só porque eu lhe disse: ‘Vi você debaixo da figueira’?” No entanto, você verá coisas maiores do que essas. E Jesus continuou: “Eu lhes garanto: vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.” (Jo 1,43-51)
Jesus chama Filipe para segui-lo e que atitude linda, Filipe foi correndo a Natanael e disse: encontramos... é Jesus de Nazaré. (cf. Jo 1,45) Havia no coração de Filipe e Natanael um desejo de encontro. Eles estavam buscando, procurando Aquele que iria fazer toda a diferença e, bastou Filipe olhar para Jesus, um olhar tão profundo que deu a ele a certeza de que era Jesus.
E nós, o que buscamos? Será que percebemos que, talvez, estejamos buscando coisas erradas? Será que buscamos Jesus atrás da vã glória, sem cruz? Não existe Jesus sem cruz. Ninguém consegue chegar em Jesus Cristo, mesmo na Sua glória sem abraçar as Suas chagas.
Então, o nosso encontro com Jesus já aconteceu? Natanael saiu “debaixo da figueira” e, no contexto, esse lugar expressa estar diante de Deus em oração, mas o movimento de sair é muito importante, significa uma ação, um interesse, um querer mudar, se desinstalar para conhecer o Messias e deixar-se transformar por Ele.
Com certeza não há quem, em dado momento da vida não tenha ouvido falar de Jesus e este anúncio para quem O busca e O deseja faz toda a diferença. Muitas pessoas que ouvem falar de Jesus, no princípio se aproximam Dele por curiosidade, mas quando começamos a conhecê-Lo melhor, passamos a ter intimidade com Ele, somos envolvidos por seu imenso amor.
Esse encontro nos transforma, nos muda total e inteiramente, a ponto de as pessoas que nos cercam reconhecerem a mudança em nosso jeito de ser e agir.
Jesus não nos força a nada, não arromba nosso coração, mas quando damos pelo menos uma brechinha Ele entra lentamente em nossa vida, realiza maravilhas e quando percebemos já não conseguiremos viver sem Ele.
Que em 2019, escolhamos sempre permanecer com Jesus.
Deus os abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 20 de Fevereiro

Filhos e filhas, 

Nessa semana, no Santuário Nossa Senhora de Guadalupe, começamos uma novena suplicando: Jesus, pelas Vossas Santas Chagas, lavai-nos, purificai-nos, perdoai-nos e seremos salvos. Serão nove terças-feiras nesse pedido, quem puder, pode acompanhar pela TV Evangelizar às 12h.
O perdão, filhos e filhas, nos purifica, nos lava e principalmente nos liberta. É um mandamento de Jesus e nós somos constantemente perdoados por Deus, que nos amou primeiro. E, porque somos perdoados e amados por Deus, devemos também perdoar. Mas sejamos honestos, ao perdoar não agimos só movidos por amor, por complacência ou benevolência, perdoamos porque foi isso que Jesus nos pediu.
Quem se fecha à graça do perdão fica preso ao passado, à dor, à magoa, à raiva e, às vezes, até ao desejo de vingança, sentimentos tóxicos que acabam bloqueando o futuro. Além disso, podem gerar doenças psicossomáticas, pois reduzem a imunidade do organismo e abrem espaço para as enfermidades oportunistas.
Há, também, aqueles que acham difícil perdoar, porque ainda não entenderam que perdoar não se trata de desculpar ou minimizar a ofensa sofrida e fingir que nada aconteceu. Agir dessa forma significa mascarar o problema, como colocar um curativo em cima de uma ferida que ainda contém sujeira. Ela pode até aparentar estar cicatrizada, mas, por baixo da casca, a infecção permanece.
Insisto: a ferida precisa ser raspada, sangrada, para haver cicatrização. Desculpar não é perdoar, e o perdão só cura quando reconhecemos a dor, conversamos sobre a ofensa e, apesar de admitir ao outro que ele agiu mal e nos machucou, escolhemos não alimentar a tristeza, não guardar ressentimentos e, em Deus, perdoamos suas fraquezas e limitações.
Quando se perdoa, não se esquece. A memória do que passamos não se apaga e nem Deus pede que a apaguemos, mas, se no momento em que lembrarmos daquilo que nos fizeram, o sentimento que brotar for mágoa ou dor, é sinal de que não houve perdão.
Quando perdoamos de fato, a lembrança daquilo que foi cometido contra nós deixa de ter poder destrutivo e não desperta mais emoções negativas, dando-nos força para prosseguir. Já os que não trilham esse caminho, tendem a se tornar agressivos e vingativos.
Não guardemos magoas, não fiquemos rancorosos, não azedemos nossa alma, porque a ausência do perdão bloqueia até a oração. Toda a pessoa que tem muita dificuldade de rezar devia se perguntar, se não está com excesso de mágoa, de inimizade? Qual a relação? É bíblico: “Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta”. (Mt 5,23-24)
Então, a falta de perdão causa um bloqueio em nossa comunhão com Deus e com o irmão. Na verdade, somente perdoa quem entendeu o valor do perdão recebido de Deus. Quanto mais uma pessoa vive a experiência desse amor e perdão, maior é a sua capacidade de perdoar.
O perdão cura, liberta e propicia crescimento pessoal e espiritual.
Deus os abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 13 de Março

Filhos e filhas, 

Já é Quaresma, estamos na primeira semana deste tempo que nos suscita oração, jejum e caridade. Nas homilias e pregações que fiz, já dei algumas pistas de como bem aproveitar esse tempo de reconciliação e no tempo apropriado o farei aqui também.
Hoje, quero destacar uma festa muito importante para a Igreja e todos os fiéis, a Festa de São José, esposo da Virgem Maria, celebrada no próximo dia 19. Aqui na Obra Evangelizar É Preciso teremos uma programação especial para o Patrono da Igreja e protetor da Obra. Todos poderão acompanhar tanto pelo rádio, quanto pela TV.
Tenho muita devoção a São José e cada vez mais aprendo com esse grande santo. São José é apresentado como um homem justo que observa a lei, um trabalhador, humilde e apaixonado por Maria, como nos ensinou Papa Francisco.
Diante do incompreensível, São José prefere colocar-se de lado, mas depois Deus lhe revela a sua missão. E assim José abraça a sua tarefa, o seu papel, e acompanha o crescimento do Filho de Deus, sem julgar. Ele ajudou Jesus a crescer, a se desenvolver. Assim procurou um lugar para que o filho nascesse; cuidou dele; ajudou-o a crescer; ensinou-lhe a profissão e certamente muitas outras coisas.
Em todos lugares procuro ter uma imagem de São José dormindo, propago o que aprendi com o Papa Francisco: “Eu gostaria de dizer a vocês também uma coisa muito pessoal. Eu gosto muito de São José porque é um homem forte e de silêncio. No meu escritório, eu tenho uma imagem de São José dormindo, e dormindo, ele cuida da Igreja. Quando eu tenho um problema ou uma dificuldade, e o escrevo em um papelzinho e o coloco embaixo da imagem de São José, para que ele sonhe sobre isso. Isso significa: para que ele reze por este problema”.
São José, mesmo dormindo continua intercedendo por nós, pelas famílias e pela Igreja. O culto a São José começou no século IX e um dos primeiros títulos que utilizaram para honrá-lo foi “nutritor Domini”, que significa “guardião do Senhor”. Ele ainda é o padroeiro da Igreja Universal, da boa morte, das famílias, dos pais, das mulheres grávidas, dos viajantes, dos imigrantes, dos artesãos, dos engenheiros e trabalhadores. E também é padroeiro das Américas, Canadá, China, Croácia, México, Coréia, Áustria, Bélgica, Peru, Filipinas e Vietnã.
Todos os anos faço, no programa "Experiência de Deus", a novena ‘São José, providenciai’ e sempre recebo muitos testemunhos antes mesmo da novena terminar, mas esse ano foi surpreendente, já no primeiro dia uma filha de Deus testemunhou uma graça alcançada.
Por isso, compartilho com vocês a oração da novena:
"Ó glorioso São José, a quem foi dado o poder de tornar possíveis as coisas humanamente impossíveis, vinde em nosso auxílio nas dificuldades em que nos achamos. Tomai sob a vossa proteção a causa que vos confiamos, para que tenha uma solução favorável.
(faça o seu pedido)
Ó São José muito amado, em vós depositamos toda nossa confiança. Já que tudo podeis junto a Jesus e Maria, mostrai-nos que a vossa bondade é igual ao vosso poder.
São José, a quem Deus confiou o cuidado da Sagrada Família, protegei, amparai e providenciai esta causa que peço agora.
Saúde física e psíquica… São José, Providenciai.
Emprego…
Cura das feridas da alma…
Harmonia na vida familiar…
Restauração do Matrimônio…
Solução na justiça…
Amparo na velhice…
O pão nosso de cada dia…
Estabilidade na vida financeira…
(coloque outras causas para São José, providenciai)
São José, alcançai-nos a graça de vivermos e morrermos no amor de Jesus e Maria.
São José, providenciai!
São José, providenciai!
São José, providenciai!"
Oremos: Deus, em vossa Providência, infinitamente sábia, escolheu São José para esposo da Virgem Santíssima. Concedei-nos que aquele mesmo que veneramos como protetor, mereçamos tê-lo no céu por nosso intercessor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.
Deus abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 03 de Abril

Filhos e filhas, 

Estamos na semana do Retiro Nacional Evangelizar é Preciso, já em sua VII edição. E para já nos prepararmos, escolhi o assunto da oração para esta mensagem, pois o tema do Retiro esse ano é “A Força da Oração” e o lema “Tudo o que pedirdes com fé na oração, recebereis” (Mt 21,22).
A oração é uma mão de duas vias, nós falamos, nós calamos, Deus nos fala, nós ouvimos. Porém, na maioria das vezes, para nós a oração é “eu falo, eu desabafo, Deus escuta”. Só que Deus também quer falar e não deixamos. Não esperamos para ouvi-Lo.
Na oração deve haver um diálogo silencioso e amoroso entre Deus e nós, o amante e o amado. Tomemos por exemplo um casal apaixonado. Às vezes, não precisam falar muito com palavras, pois se falam com o olhar. O amor se expressa pelos olhos. É tão bonito o amor. Quem nunca amou na vida vai morrer sem ter conhecido um dos grandes milagres de Deus, porque o amor verdadeiro é sublime.
O amor entre a alma e o amado, Deus. É o que diz São João da Cruz, num poema:
“Oh! Feliz ventura
Sair, indo à procura do amor,
do meu Amado! ”
Nas Sagradas Escritura é só ler o Livro do Cântico dos Cânticos para entender o que é uma alma apaixonada por Deus.
Santa Tereza D’Avila nos ensina: “assim se espera na oração, ao meu ver é um comércio interior de amizade em que nós conversamos a sós com Deus, com esse Deus, que nós sabemos sermos amados, a oração busca do coração que é como o desejo de encontrar o amado”.
É isso que a oração faz, não tem água morna para quem reza, não tem só “mais ou menos”. Se nós conseguíssemos um pouquinho, uma centelha desse amor, uma faísca desse amor do Espírito Santo em nosso coração, então nossa oração seria fervorosa, nós gostaríamos de estar mais na presença do amor que é Deus, porque nossa alma sente necessidade.
O vazio que muitos sentem que não tem bem material que preencha, nem joia, nem roupas de grife. Esse vazio só Deus preenche, esse vazio é o lugar de Deus. A oração transfigura, a oração transcende, a oração muda, a oração converte, a oração verdadeira nos impulsiona.
Muitas vezes, nossas orações não estão sendo qualificativas, nós estamos sendo mecânicos, ritualistas, cumpridores e observadores, mas não estamos deixando nos tocar por Deus. Está sendo um caminho de ida, mas não há o caminho de volta. Não porque Deus não quer, porque não deixamos, nós não O escutamos
Na mesma proporção que nos dedicamos a cuidar do corpo, devemos dedicar a cuidar do espírito. Se, na mesma proporção, buscamos manter a sobrevivência do corpo, buscássemos manter a sobrevivência da alma não seríamos tão doentes espiritualmente, desnutridos, desesperados e desgastados. Por isso, insisto tanto na disciplina, no reservar um momento para a intimidade com Deus.
É isso que gostaria de propor e exercitar com todos no VII Retiro Nacional Evangelizar é Preciso, pois a oração é nosso combustível para a caminhada.
Deus abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

OREMOS POR BRUMADINHO - MG







sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Nossa Senhora Desatadora dos Nós



Oração a "Nossa Senhora Desatadora dos Nós"

Virgem Maria, Mãe do belo amor,
Mãe que jamais deixa de vir
em socorro a um filho aflito,
Mãe cujas mãos não param nunca
de servir seus amados filhos,
pois são movidas pelo amor divino
e a imensa misericórdia
que existem em teu coração,
volta o teu olhar compassivo sobre mim
e vê o emaranhado de nós
que há em minha vida.
Tu bem conheces o meu desespero,
a minha dor e o quanto estou amarrado
por causa destes nós.
Maria, Mãe que Deus
encarregou de desatar os nós
da vida dos seus filhos,
confio hoje a fita da minha vida em tuas mãos.
Ninguém, nem mesmo o maligno
poderá tirá-la do teu precioso amparo.
Em tuas mãos não há nó
que não poderá ser desfeito.
Mãe poderosa, por tua graça
e teu poder intercessor
junto a Teu Filho e Meu Libertador, Jesus,
recebe hoje em tuas mãos este nó.........
Peço-te que o desates para a glória de Deus,
e por todo o sempre.
Vós sois a minha esperança.
Ó Senhora minha,
sois a minha única consolação dada por Deus,
a fortaleza das minhas débeis forças,
a riqueza das minhas misérias, a liberdade,
com Cristo, das minhas cadeias.
Ouve minha súplica.
Guarda-me, guia-me,
protege-me, ó seguro refúgio!
Maria, Desatadora dos Nós, roga por mim.

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Trechos bíblicos que mencionam a Primavera


"Tende, pois, paciência, meus irmãos, até a vinda do Senhor. Vede o lavrador: ele aguarda o precioso fruto da terra e tem paciência até receber a chuva do outono e a da primavera."
São Tiago, 5 - Bíblia Católica Online

Leia mais em: https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/sao-tiago/5/

"(Ele era) como o arco-íris fulgurando nas nuvens luminosas, como a flor da roseira em dia de primavera, como os lírios à beira de uma corrente de água, e como o incenso que exala seu perfume nos dias de verão;"
Eclesiástico, 50 - Bíblia Católica Online

Leia mais em: https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/eclesiastico/50/