terça-feira, 29 de janeiro de 2019

BOLETINS DO PADRE REGINALDO MANZOTTI - 2019

Boletim do dia 23 de Janeiro

Filhos e filhas, 

Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).
Esse é o tema da JMJ que está acontecendo no Panamá até o próximo dia 27 de janeiro. Desde já colocamos em oração todo o evento, que o Espírito Santo ilumine todos os envolvidos, principalmente os jovens, para que sejam fortalecidos na esperança e na construção de um mundo mais justo e generoso.
O Papa Francisco em sua mensagem para a Jornada Mundial da Juventude 2019 chama os jovens para, como Maria, escutar a voz do Senhor e responder com um sim audaz e generoso porque não existe vocação ao egoísmo. O próprio Jesus nos ensina que os principais mandamentos são amar a Deus com todo o seu coração, alma e entendimento e ao próximo como a ti mesmo (cf. Mt 22,36-39).
Nossa generosidade, pedida pelo Papa Francisco aos jovens e a todos nós, deve ser exercitada em nosso cotidiano, a quem encontrarmos em necessidade, como nos ensina Jesus na parábola do Bom Samaritano (cf. Lc 10,25-37). Deus nos faz um apelo para que sejamos como Jesus, o Bom Samaritano, por excelência.
No texto da parábola o interlocutor de Jesus pergunta sobre quem é o próximo. Sejamos sinceros: se pudéssemos escolher nosso próximo e o momento de fazer a caridade seria mais fácil. Entretanto, o próximo se impõe e a necessidade do outro não escolhe horário.
O “próximo” não somos nós que escolhemos, é a vida que nos interpõe. Ninguém pode escolher seu “próximo”, é o momento que nos traz. Podemos estar saindo para comprar pão e o “próximo” estar ali entre a casa e a panificadora. Às vezes, o próximo se coloca em nossa vida como se colocou na vida do sacerdote que virou as costas e foi embora, na vida do levita que também passou e não se comoveu.
Nós devemos aprender com Jesus que é o Bom Samaritano! Quando Ele conta a Parábola está falando isso, somos chamados a sermos hoje e sempre Bons Samaritanos. Fico pensando naquele homem que apanhou dos ladrões e foi deixado, todo machucado, quase morto e, Jesus diz que o samaritano o levou para a hospedaria.
Jesus é aquele que é capaz de passar pelos caminhos e acolher aqueles que estão precisando de misericórdia. Ele os leva para a hospedaria, que é seu coração. Conforta-me pensar que Jesus age dessa forma, recolhendo aqueles que caíram, e se perderam, porque se não nos cuidarmos nos perdemos.
Por isso, quanto mais pudermos sejamos misericordiosos. Perdoemos mais. Se alguém nos fez alguma ofensa, perdoemos. Quando tivermos oportunidade de revidar, não revidemos. Se alguém nos fizer mal, nos fizer desaforos e tivermos oportunidade de passar para a frente, falar mal, mesmo que estejamos cobertíssimos de razão, é nessa hora que somos chamados a dizer: “Não, eu não vou falar. Eu vou relevar”. Isso conta pontos no céu e Deus agirá dessa forma conosco.
Sempre fique com essa imagem: “Eu quero ser o Bom Samaritano”. A compaixão é uma atitude tão profundamente humana quanto divina, por isso, deixemo-nos amar pelo Bom Samaritano e amemos nosso próximo como Bom Samaritano.
Deus os abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Boletim do dia 30 de Janeiro 

Filhos e filhas, 
Ainda início de ano, tempo de reflexão, de tomada de decisão sobre como viver 2019 Eu digo uma coisa, não importa o que decidir, se colocar Jesus como seu companheiro para todas as horas, certamente a caminhada será mais leve.
Antes que me responda que Jesus já está na sua vida, eu o convido a pensar: Você já fez o encontro verdadeiro com Jesus? Aquele encontro que muda tudo? Muitas pessoas estão tomadas por sentimentos negativos, com feridas na alma que as levam a acreditar que a situação em que se encontram não tem mais jeito e a depressão toma conta de suas vidas.
Será que não estão precisando de um encontro verdadeiro com Jesus? Com muita insistência nosso querido Papa Francisco tem nos exortado ao “encontro” com Jesus. Um encontro capaz de nos curar e transformar nossas vidas.
O relacionamento com Jesus cura a visão da nossa própria existência e esta adquire um novo sentido. Quem faz essa experiência do “encontro” fica tão preenchido de Jesus que não consegue reter só para si a graça, a alma, o coração curado se torna um coração evangelizador.
Um exemplo, que chama a atenção para a importância do nosso encontro pessoal com Jesus, encontra-se no Evangelho de São João: “No dia seguinte, Jesus decidiu partir para a Galileia. Encontrou Filipe e disse: “Siga-me.” Filipe era de Betsaida, cidade de André e Pedro. Filipe se encontrou com Natanael e disse: “Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei e também os profetas: é Jesus de Nazaré, o filho de José.” Natanael disse: “De Nazaré pode sair coisa boa?” Filipe respondeu: “Venha e você verá.” Jesus viu Natanael aproximar-se e comentou: “Eis aí um israelita verdadeiro, sem falsidade.” Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe chamasse você, eu o vi quando você estava debaixo da figueira”. Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel!” Jesus disse: “Você está acreditando só porque eu lhe disse: ‘Vi você debaixo da figueira’?” No entanto, você verá coisas maiores do que essas. E Jesus continuou: “Eu lhes garanto: vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.” (Jo 1,43-51)
Jesus chama Filipe para segui-lo e que atitude linda, Filipe foi correndo a Natanael e disse: encontramos... é Jesus de Nazaré. (cf. Jo 1,45) Havia no coração de Filipe e Natanael um desejo de encontro. Eles estavam buscando, procurando Aquele que iria fazer toda a diferença e, bastou Filipe olhar para Jesus, um olhar tão profundo que deu a ele a certeza de que era Jesus.
E nós, o que buscamos? Será que percebemos que, talvez, estejamos buscando coisas erradas? Será que buscamos Jesus atrás da vã glória, sem cruz? Não existe Jesus sem cruz. Ninguém consegue chegar em Jesus Cristo, mesmo na Sua glória sem abraçar as Suas chagas.
Então, o nosso encontro com Jesus já aconteceu? Natanael saiu “debaixo da figueira” e, no contexto, esse lugar expressa estar diante de Deus em oração, mas o movimento de sair é muito importante, significa uma ação, um interesse, um querer mudar, se desinstalar para conhecer o Messias e deixar-se transformar por Ele.
Com certeza não há quem, em dado momento da vida não tenha ouvido falar de Jesus e este anúncio para quem O busca e O deseja faz toda a diferença. Muitas pessoas que ouvem falar de Jesus, no princípio se aproximam Dele por curiosidade, mas quando começamos a conhecê-Lo melhor, passamos a ter intimidade com Ele, somos envolvidos por seu imenso amor.
Esse encontro nos transforma, nos muda total e inteiramente, a ponto de as pessoas que nos cercam reconhecerem a mudança em nosso jeito de ser e agir.
Jesus não nos força a nada, não arromba nosso coração, mas quando damos pelo menos uma brechinha Ele entra lentamente em nossa vida, realiza maravilhas e quando percebemos já não conseguiremos viver sem Ele.
Que em 2019, escolhamos sempre permanecer com Jesus.
Deus os abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário