segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SÃO GERALDO MAJELA


Oração a São Geraldo

Ó São Geraldo, celestial amigo dos infelizes, ao nos lembrarmos dos grandes milagres que operastes em vida, aumentados admiravelmente após a vossa preciosa morte, quer nos parecer que eles nos clamam: Confiança! Confiança! Tenham confiança!

Bem sabemos que é grande o favor que pedimos e muito acima de nossos merecimentos. Reconhecemos até sermos mais dignos de castigos que favores; pois sem dúvida é justa a punição de nossos pecados, o bem que nos falta e as aflições e dificuldades que nos fazem suplicar. De certo, atraímos sobre nós e sobre aqueles que nos são caros a ira de Deus, transgredindo voluntariamente os preceitos divinos e permitindo que outros também o fizessem. Choramos agora todas as nossas culpas.

Pedi, ó carinhoso São Geraldo, pedi ao bom Pai Celeste que nos perdoe. Ainda que seja justo sermos castigados por nossos pecados, afastai de nós e de nossos queridos os flagelos da justiça divina.

Alcançai-nos, pelos méritos das sublimes virtudes que vos fizeram eterno amigo de Deus, a graça que com toda confiança pedimos por esta oração. Ó São Geraldo, nosso amigo, nosso milagroso benfeitor, rogai por nós a Jesus e Maria, e seremos certamente atendidos.
Rezar 9 Ave-Maria e 3 Glória ao Pai.



Oração da Mãe a São Geraldo

Glorioso São Geraldo, que viste em cada mulher a imagem de Maria, esposa e mãe de Deus, e quiseste que todas estivessem à altura de sua missão, e as auxiliaste com teu apostolado, abençoa-me e a todas as mães do mundo.

Faze-nos fortes para que possamos manter unidas nossas famílias.

Socorre-nos na difícil tarefa de educar cristãmente os filhos.

Dá aos maridos a coragem da fé e do amor para que, com teu exemplo e confortados com teu auxílio, possamos ser instrumentos de Jesus para tornar o mundo melhor e mais justo.

De modo especial, socorre-nos nas doenças, na dor e em todas as necessidades.

Dá-nos a força de aceitar tudo de modo cristão, para que possamos também nós ser imagem de Jesus crucificado como tu o foste.

Dá a nossas famílias a alegria, a paz e o amor de Deus.

Amém



Oração pedindo o dom da Maternidade

São Geraldo, quando estavas aqui na terra, fizeste sempre a vontade de Deus conformando-te a ela até ao heroísmo. E Deus te glorificou realizando obras maravilhosas por teu intermédio.

Também eu quero procurar sempre a vontade de Deus e a ela quero me sujeitar com todas as minhas forças.

Mas intercede por mim diante de Deus. Ele, que é o Doador da Vida, me conceda o dom da maternidade. Faça também de mim um instrumento de sua criação. Dá também a mim a alegria de apertar nos braços uma criatura minha, para cantarmos juntos a glória de Deus.

São Geraldo, não me abandones. Escuta minha oração. Torna fecundo meu amor, que o próprio Deus abençoou no dia da celebração de meu matrimônio.

Se intercedes por mim, tenho certeza de que logo também na minha casa haverá um alegre choro de criança que testemunhará o amor de Deus pela humanidade.

É o que desejo e espero, se for esta a vontade de nosso Deus.

Amém



Oração pela Maternidade em Perigo

São Geraldo, sabes quanto pedi para que também em mim acontecesse o milagre da vida. E quanto me alegrei quando senti os primeiros movimentos e tive a certeza de que meu corpo se tornara templo de uma nova vida.

Mas sabes também que a criatura que está dentro de mim corre perigo, e que minha tão esperada gravidez corre risco de ser interrompida.

São Geraldo conheces minha expectativa e minha aflição. Não permitas, portanto, que minha alegria se transforme em choro. Intercede com teu poder junto de Deus, Senhor da vida para que eu não seja privada da glória de apertar entre meus braços, um dia, uma viva testemunha de seu de amor.

São Geraldo tenho certeza de tua intercessão. Em ti confio, em ti espero.
Oração dos casados a São Geraldo

São Geraldo, fruto precioso de virtuoso e santo matrimônio, tiveste a felicidade de gozar plenamente do inviolável e recíproco amor de vossos pais. Em vosso lar brilhava sempre, com alegre sol, a harmonia e antecipada combinação, porque pai e mãe eram para vós e para os outros filhos um vivo exemplo. O amor a vosso pai assemelhava-se ao amor de Jesus para com sua Esposa, a Igreja, e era tão santo o amor de vossa mãe, porque sabia fazer sacrifícios, a exemplo da Igreja para com seu divino Esposo.

Ó privilegiado filho de tão feliz matrimônio, abençoai o nosso, em ordem a podermos compartilhar de todas as graças, efeito dos sacramentos que nos unem santamente. Dai-nos um generoso amor para nos alegrarmos juntos, e juntos suportarmos os golpes das adversidades. Dai-nos um amor tão fiel, que possamos repelir com energia a mínima tentação de infidelidade. Que nos seja dada a mais limitada confiança na Divina Providência, em Deus nosso bom Pai, que cuidará de nós, ainda que nossa família aumente cada vez mais. Concedei-nos um amor tão cheio de atenções mútuas, que até nas menores coisas da vida cotidiana procuremos a Deus um no outro.

São Geraldo que, em vossa vida, tantas vezes restabelecestes a paz, sede-nos protetor, a fim de que a paz nunca seja perturbada em nossa família. Possamos compreender-nos e estimar-nos e viver de tal modo, que jamais faltemos ao decoro de nosso santo estado, símbolo do amor de Jesus para com sua Esposa, a Igreja. Seja nosso pai Jesus, e Maria nossa mãe, que nos abençoe e a nossa família, nos trabalhos e cuidados espirituais e temporais.

Querido Santo, concedei-nos vossa força resistirmos a todas as zombarias dos maus, aos quais desagrada o cumprimento de nosso dever. Afastai de nossa morada tudo quanto possa fazer perigar nosso amor e fidelidade. Com o auxilio de Deus e a proteção de Maria, venceste os demônios; que nós também, por vosso poder, possamos vencer todas as tentações e honrar nosso matrimônio, a exemplo de Nossa Senhora e São José.

São Geraldo, sede nosso padroeiro até a hora de nossa morte, e assim unidos na vida, possamos nós e nossa família reunir-nos eternamente no céu, em companhia de Jesus e Maria.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.



Oração nas dificuldades temporais
São Geraldo, que durante a vossa vida

tanto vos comprazeis em consolar os aflitos

e socorrer os pobres, do vosso trono glorioso

olhai para mim que, cheio de confiança,

do abismo de minha miséria a vós recorro.

Grande é a aflição, e em redor de mim

vejo só descaso e fria indiferença.

Ajudai-me e salvai-me, ó São Geraldo,

como ajudastes e salvastes a tantos,

durante a vossa vida e depois da vossa morte.

Mandai uma solução, e, livre deste transe,

sob vosso amparo, servirei mais fielmente a Deus,

amá-lo-ei com mais fervor, e do que é meu

darei da melhor vontade aos membros sofridos

de Jesus Cristo.

Amém.

Oração por um doente querido

São Geraldo, quanto mais medito em vossa vida, tanto mais penso em Jesus. Como todos levavam os doentes a Cristo, assim os levavam a vós.

E ninguém voltava desconsolado, pois vosso coração misericordioso se espelhava no de Jesus. Vós vos transformastes em lugar-tenente de Jesus Cristo. E ainda hoje é assim. O amor infinito Deus para conosco faz com que mi­lhares e milhares se dirijam a vós, no intuito de alcançar não só favores espirituais, mas também cura e saúde para seus caros enfermos.

São Geraldo, o Espírito de Deus me ins­pira a recorrer a vós em favor desse doente querido. (Nomear aqui o enfermo ou os enfermos da cura você deseja pedir: pai, mãe, irmão, irmã, filho, filha, amigo, amiga, etc.)
Recomendo-os a vós, do fundo do coração, para se manifestar em nosso auxílio a glória de Deus.

Santíssima Trindade, em cujo nome Geraldo distribuía favores, atendei a meus pedidos em favor do querido enfermo, e seja-vos dada honra e glória por todos os séculos dos séculos.

Amém.



Terço Milagroso de São Geraldo

Na Cruz:

O Credo

3 Ave-Marias em louvor a Nossa Senhora

1 Glória ao Pai eu hora à Santíssima Trindade


Nas contas maiores do Terço:

Ó Milagroso São Geraldo,

pela Santa Cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,

que tendes em vossos braços, valei-nos, ajudá-los

salvai-nos e socorrei-nos

em todas as nossas dificuldades e aflições.


Nas contas menores do Terço:

Por amor a Jesus Cristo, socorrei-nos, São Geraldo!


Termina com uma Salve Rainha.

HINOS
1- GLÓRIA SALVE, SALVE
Glória, salve, salve, ó São Geraldo amigo,
Glória, salve, salve, meu protetor querido.
De todos lugares, ecoa a louvação,
Deus, em São Geraldo , nos deu um grande irmão.
Ó meu São Geraldo, tu és minha luz,
Vou seguir teus passos, “quero ver Jesus”!
1- Vendo Tua imagem, de homem sofrido, lembro o indefeso,lembro o
oprimido. Cada vez que eu vejo, no teu peito a cruz, lembro alguém
sofrendo, junto com Jesus.Tua humildade, nunca foi fraqueza, dom do
Espírito Santo, dom da fortaleza. 
2- Aos bens desta terra, jamais se apegou, mas os bens eternos,
sempre ele os amou. De todas as causas, foi o defensor: velhos e
crianças, grávidas na dor...São Geraldo foi... é! Cidadão do céu.
Vida honesta e santa, pura, sem labéu!
3- Enfrentou mentiras, calúnias suportou, humilhações sem conta,
com fé as superou. Amor, cumplicidade, se traem num olhar...
Quem reza a São Geraldo, o quer logo imitar. Santos não são anjos
2- SÃO GERALDO GLORIOSO
1. Ó são Geraldo glorioso, sois o amigo de Jesus.
Levai-nos ao bom caminho, que para o céu conduz.
Mostrai-nos, ó São Geraldo, pra todos um protetor.
Por vós é que esperamos a bênção do Senhor
.
2. Riquezas que nos enganam nunca voss’alma procurou:
Tesouros mais preciosos o coração amou!
3. Nas lutas de vossa vida vós confiastes no Senhor.
Ficastes contra o inferno sempre o vencedor.
4. Geraldo, santo bondoso, dai-nos a paz do coração;
no céu mostrar-vos, queremos, a nossa gratidão.

3- ROGA POR NÓS
1. Pensando na mensagem, do evangelho de Jesus.
Nós vemos uma imagem que encanta e seduz.
É tua imagem pobre e humilde, nosso irmão.
Exemplo para todos, bondoso São Geraldo,
a quem nós dirigimos esta simples oração.
Roga por nós, São Geraldo! (2x)
2. No turbilhão do mundo, poucos pensam em Jesus.
Temendo o profundo da mensagem e da cruz.
Com risos e com prantos, na humildade, nosso irmão.
Também seremos santos, iguais a ti Geraldo,
a quem nós dirigimos esta simples oração.
Roga por nós, São Geraldo! (2x)







CONHECENDO SÃO GERALDO
São Geraldo nasceu em Muro, no sul da Itália, no dia 6 de abril de 1726, de uma família pobre de bens, mas rica de bênçãos. Seus pais eram Domingos Majela e Benedita Majela. Domingos era alfaiate e Benedita lavadeira. Os dois se amavam com um amor imenso. Deste amor puro e santo nasceu-lhes Geraldo, que tinha uma fisionomia de anjo. Geraldo foi batizado no mesmo dia em que nasceu. Seus pais entendiam que Deus em seus planos não deixa ninguém nascer à toa. Quem nasce é para sentir-se amado e ser capaz de amar. 
É neste sentido que está certo quem disse: "Amar a vida é mais do que construir catedrais!" O menino Geraldo era franzino de corpo, porém, era robusto de espírito. Deus lhe deu uma inteligência brilhante. Os professores logo viram nele um prodígio.
Contato com o Menino Jesus
Conforme o testemunho de suas próprias irmãs, ele era muito dedicado às devoções, também se confessava todos os dias e se disciplinava diariamente. Aos sete anos, em vista da pobreza da família, dirigia-se à ermida de Capodigiano, onde recebia um pãozinho branco que o Menino Jesus lhe entregava, e com quem ele brincava. Somente mais tarde, quando já na Congregação, Geraldo compreende quem era aquele Menino.
Aprendiz de alfaiate
Aprendendo uma profissão Por causa da necessidade do lar, sua mãe o mandou à alfaiataria do senhor Martin Pannuto, mestre alfaiate, para que Geraldo aprendesse uma profissão e assim pudesse ajudar nas despesas da casa. Aí sua bondade e sua simplicidade eram interpretadas como estupidez, e todos zombavam dele, insultavam-no chegando até a maltratá-lo. Mas sua resposta era sempre: "Meu Deus, que se faça a tua vontade". Ali no esforço diário foi assimilando o mistério da Cruz de Cristo.Trabalhando para o Bispo Quando tinha 14 anos, recebeu o sacramento da crisma pelas mãos de Dom Albino, bispo de Muro.Com o Bispo, lá se foi Geraldo para ser seu empregado. Nesse ofício precisou praticar verdadeiro heroísmo. Um sacerdote contemporâneo deixou por escrito, sob juramento, esta declaração: "O Bispo irascível se irritava por qualquer coisinha. Impacientava-se com tudo.

Ante os maus tratos, mais oração
Se nunca chegou a bater em Geraldo, contudo, não lhe poupou toda classe de censuras". A tudo isso unia jejuns e intensa vida de oração. Passava longo tempo numa capela da vizinhança diariamente. O Bispo adoeceu e Geraldo cuidou dele como se fosse seu próprio pai.

A paixão de Cristo e os necessitados

Durante a Quaresma de 1747 ele resolveu ser completamente semelhante a Cristo o quanto lhe fosse possível. Fez penitências mais severas e procurava explicitamente a humilhação, fazendo-se passar por louco e sentindo-se feliz quando riam dele nas ruas. Sua preocupação com os pobres e necessitados era grande, ao ponto de se privar do necessário, quando via alguém sofrendo penúria.

Buscando sua vocação

Mas Geraldo sentia que o Senhor tinha escolhido para ele um outro lugar. Assim, entra em contato com os capuchinhos, mas em vão solicita ser admitido, mesmo na condição de empregado. Não é aceito, dada sua saúde precária e sua aparência doentia. 
Para Geraldo esse golpe foi terrível. Contudo, entrega-se à oração, pedindo a Deus que o encaminhasse para vida religiosa. Mas tendo chegado a Muro seu amigo Luca Valpiedi, antigo condiscípulo, parte com ele para ajudá-lo em seu colégio, no cuidado das crianças. Ali encontrou um novo calvário. Naquele tempo caiu-lhe em mãos certa obra de Antônio de Olivedi, intitulada: "O ano doloroso de Jesus Cristo". 
Cada palavra daquele escrito foi um dardo penetrante no coração do nosso jovem Geraldo. Sentiu crescer extraordinariamente suas ânsias de sofrer mais e mais para assemelhar-se ao Redentor. Quando tinha 22 anos chegaram a seu povoado alguns missionários.

Acolhido pelos Redentoristas 

Eram os Redentoristas, e entre eles achava-se o Irmão Onofre que contou a Geraldo como era sua vida. Mas, percebendo que o jovem estava entusiasmado, mudou de assunto, dizendo-lhe que ele não resistiria àquele tipo de vida. Pouco tempo depois voltaram os missionários. 
Entre eles estava o Padre Paulo Cáfaro, que depois de muito vaivém e oposições lhe permite que o acompanhe ao convento. "Meu filho, lhe diz, você me venceu. Recebo-o como religioso, e que Deus lhe dê saúde e forças para perseverar até a morte". Enviou-o para lliceto com uma carta ao superior. Na carta ele dizia: "Aí vai um irmão inútil para o nosso trabalho. Ele não tem saúde. É fraco. Mas eu não pude rejeitar sua admissão sem dar-lhe uma chance. Ele insistiu até cansar-me e é grande a consideração que lhe têm os moradores de Muro".
Geraldo vibrou. Fugiu de casa, deixando apenas um bilhete, no qual dizia: "Querida mamãe e irmãs, fugi. Já estou com os redentoristas. Não se preocupem. Vou tornar-me santo. Esqueçam-me. Adeus!”

Vida religiosa

No dia 17 de maio de 1749, Geraldo partia radiante de alegria para a casa de noviciado de Iliceto. Em novembro desse mesmo ano vestia a batina redentorista e começava sua interiorização na vida religiosa. 
Fez para si mesmo essa exortação: “Lembra-te, Geraldo, que Deus te tirou do mundo e colocou, como um novo Adão, no paraíso da Congregação para trabalhares e executares os mandamentos divinos e os conselhos evangélicos que possues na santa Regra. Ai de ti se as desprezares; o teu castigo seria — o que Deus não permita — o abandono da Congregação e conseqüentemente a condenação eterna”.
Emitiu os votos religiosos a 16 de julho de 1752, festa do SS. Redentor e de Nossa Senhora do Carmo consagrando-se como vítima ao Senhor. 
Escreveu então ao Santo Fundador – Santo Afonso Maria de Liguori esta carta de gratidão:
“Jesus e Maria.
A graça do amor divino esteja com V. Paternidade, e a Imaculada Virgem Maria vos proteja. Amém.
Meu Pai. Prostrado aos pés de V. Paternidade, agradeço-vos do íntimo da alma a bondade e a caridade, que me mostrastes, sem nenhum merecimento meu, admitindo-me na Congregação e aceitando-me por filho vosso.
Seja eternamente bendita a bondade divina, que me dispensou tantas misericórdia, entre outras, a de eu poder fazer no dia do SS. Redentor, a minha profissão, consagrando-me inteiramente a ele. Meu Deus, quem sou eu, para atrever-me a fazer ao Senhor a minha oblação! Quisera agora falar da grandeza e bondade divina; mas isso seria, na presente circunstância, muito inútil e vós me teríeis na conta de um louco! Meu Pai, pelo amor de Jesus e de Maria, peço-vos me abençoeis e coloqueis aos pés da Majestade divina.
Beijando-vos as mãos, sou de V. paternidade indigno filho”
GERALDO MAJELLA, C.Ss.R.

Provações imensas

O instrumento de que o demônio se serviu para causar sofrimento e amarguras ao santo e paralisar sua atividade em prol das almas, foi uma jovem chamada Neria Caggiano, uma das filhas de seu amigo Constantino Capucci, da cidade de Lacedogna. Devido aos esforços do santo essa menina entrou no conservatório de Foggia, onde todavia não permaneceu muito tempo. Para justificar a sua saída Neria propalou calúnias contra as religiosas de Foggia, até que, impelida pelo espírito da mentira, se atreveu a expectorar o seu veneno contra o santo. 
Seria acusou Nicoletta, de sofrer sedução vergonhosa de Geraldo, chegando a caluniadora a convencer do crime imputado a Geraldo o seu próprio confessor, Benigno Boaventura. Este grande amigo de Santo Afonso e da Congregação, julgou-se obrigado em consciência a comunicar ao próprio fundador o “escândalo de Geraldo”. Geraldo foi chamado por Santo Afonso para responder a acusação. Mas em vez de se defender, permaneceu em silêncio, seguindo o exemplo do seu divino Mestre.

Privado da Sagrada Comunhão

Diante deste silêncio, Santo Afonso nada pôde fazer senão impor ao jovem religioso uma severa penitência: foi negado a Geraldo o privilégio de receber a santa Comunhão e foi-lhe proibido todo contato com os de fora. Não foi fácil para Geraldo renunciar aos trabalhos pelo bem das almas, mas este era um sofrimento pequeno em comparação com a proibição de comungar. Sentiu isto tão profundamente, que chegou a pedir para ficar livre do privilégio de ajudar a Missa, receando que, a veemência do seu desejo de receber a comunhão o fizesse arrancar a hóstia consagrada das mãos do padre no altar. Algum tempo depois Néria ficou gravemente enferma, e escreveu uma carta a Santo Afonso, confessando que as suas acusações contra Geraldo não passavam de invenção e calúnia.
O santo ficou cheio de alegria ao saber da inocência do seu filho. Mas Geraldo, que não ficara deprimido no tempo da provação, também não exultou indevidamente quando foi justificado. Em ambos os casos sentiu que a vontade de Deus tinha sido cumprida, e isto lhe bastava.

Últimos dias

Geraldo
tinha exigido de seu corpo mais do que ele podia dar. Sua saúde estava
destruída. A anemia consumia-o e seus pulmões já não trabalhavam como
deviam. Contudo, continuou esforçando-se em servir os outros e em
enfraquecer sua pessoa. Em 1755 Geraldo sai para pedir esmolas para a
construção do convento de Caposele. Sente-se mal. É a tuberculose.
Estava com 29 anos. Ao morrer diz ao superior: "Meu leito é a vontade de
Deus. Ele e eu somos uma só coisa". No dia 16 de outubro de 1755, com
apenas 29 anos de idade, e somente 7 na Congregação, entregou a Deus seu
espírito. 

Seus
funerais foram grandiosos e soleníssimos. De Caposele e de todos os
povoados vizinhos a multidão acorreu, atropelando-se para despedir-se do
santo e solicitar graça por sua intercessão. E como em vida realizou
tantos prodígios, maiores foram os milagres que realizou depois da
morte.Processo de canonização Embora a fé no santo fosse muito grande,
contudo somente em abril de 1839 foi aberto em Muro o processo,
recolhendo os testemunhos daqueles que o tinham conhecido, e daqueles
que tinham recebido alguma graça por meio dele. Em 1847, Sua Santidade
Pio IX concedeu-lhe o título de Venerável; e em 1893 o Papa Leão XIII o
declarou Beato. Finalmente, no dia 11 de dezembro de 1904, o Papa São
Pio X canonizou Geraldo Majela em meio a uma magnífica cerimônia, como é
costume em tais ocasiões.







Terço milagroso de São Geraldo

no início Vinde Espírito Santo... Credo, 1 Pai nosso e 3 Ave Maria
rezar o glória entre os mistérios.

Nas contas do Pai nosso
Ó Milagroso São Geraldo,
pela Santa Cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,
que tendes em vossos braços, valei-nos, ajudá-los
salvai-nos e socorrei-nos
em todas as nossas dificuldades e aflições.

Nas contas da ave Maria
Por amor a Jesus Cristo, socorrei-nos, São Geraldo!

Termina com uma Salve Rainha.

Ladainha de São Geraldo Majella

Senhor, tende piedade.

Cristo, tende piedade.

Senhor, tende piedade.

Cristo, ouvi-nos.

Cristo, atendei-nos.

Deus, o Pai do céu, tende piedade de nós.

Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.

Deus, o Espírito Santo, tende piedade de nós

Santíssima Trindade, um sOh! Deus, tende piedade de nós.

Santa Maria, Mãe do Perpétuo Socorro, rogai por nós.

São José, pai adotivo de Cristo, rogai por nós.

Santo Afonso, fundador da Congregação do Santíssimo Redentor, rogai por nós.

São Geraldo Majela, rogai por nós.

São Geraldo, enriquecido com graças extraordinárias desde a juventude, rogai por nós.

São Geraldo, modelo perfeito de um servo fiel, rogai por nós.

São Geraldo, o padrão luminoso das classes trabalhadoras, rogai por nós.

São Geraldo, grande amante da oração e trabalho, rogai por nós.

São Geraldo, Serafim de amor para com o Santíssimo Sacramento, rogai por nós.

São Geraldo, imagem viva do Salvador crucificado, rogai por nós.

São Geraldo, o cliente zeloso da Imaculada Virgem Maria, rogai por nós.

São Geraldo, espelho brilhante da inocência e da penitência, rogai por nós.

São Geraldo, modelo admirável de obediência heróica, rogai por nós.

São Geraldo, vítima silenciosa da calúnia infame, rogai por nós.

São Geraldo, grande diante de Deus pela tua humildade profunda, rogai por nós.

São Geraldo, verdadeiramente sábio pela tua simplicidade infantil, rogai por nós.

São Geraldo, sobrenaturalmente iluminado em mistérios divinos, rogai por nós.

São Geraldo, unicamente preocupadas em agradar a Deus, rogai por nós.

São Geraldo, promotor de zelo da conversão dos pecadores, rogai por nós.

São Geraldo, conselheiro sábio na escolha da vocação, rogai por nós.

São Geraldo, guia iluminado na direção das almas, rogai por nós.

São Geraldo, amigo íntimo dos pobres e dos aflitos, rogai por nós.

São Geraldo, um refúgio seguro na doença e na tristeza, rogai por nós.

São Geraldo, protetor maravilhoso de crianças não batizadas, rogai por nós.

São Geraldo, intercessor cheio de compaixão em cada necessidade, rogai por nós.

São Geraldo, honra e glória da Ordem Redentorista, rogai por nós.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, atendei-nos, Oh! Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

Rogai por nós, São Geraldo

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Oremos

Oh! Deus, que abençoou São Geraldo desde a sua juventude, e sendo feito à imagem do teu Filho crucificado, concedei, nós Vos suplicamos, que seguindo o seu exemplo, também possamos ser transformados na imagem de Cristo Nosso Senhor. Amém.

São Geraldo Majela
1725-1755

16 de Outubro - São Geraldo Majela

Filho da modesta e pobre família do alfaiate Majela, Geraldo nasceu no dia 6 de abril de 1725, numa pequena cidade chamada Muro Lucano, no sul da Itália. De constituição física muito frágil, cresceu sempre adoentado, aprendendo o ofício com seu querido pai.

Aos quatorze anos de idade ficou órfão de pai e, com a aprovação da mãe, Benedita, quis tornar-se um frade capuchinho. Mas foi recusado por ter pouca resistência física. Entretanto o jovem Geraldo Majela não era de desistir das coisas facilmente. Arrimo de família, foi trabalhar numa alfaiataria da cidade. Mais tarde, colocou-se a serviço do bispo de Lacedônia, conhecido pelos modos rudes e severos, suportando aquele serviço por vários anos, até a morte do bispo.

A forte vocação religiosa sempre teve de ser sufocada, porque não o aceitavam. Com dezenove anos de idade, voltou para Muro Lucano, onde montou uma alfaiataria. Recebia um bom dinheiro. Dava tudo de necessário para sua mãe e suas irmãs, com o restante ajudava os pobres. Na cidade todos sabiam que Geraldo dava o dote necessário às moças pobres que desejavam ingressar na vida religiosa. E se preciso, conseguia a vaga de noviça.

Só em 1749, quando uma missão de padres redentoristas esteve em Muro Lucano, Geraldo conseguiu ingressar na vida religiosa. Tanto importunou o superior, padre Cafaro, que este acabou cedendo e o enviou para o convento de Deliceto, em Foggia.

Enquanto era postulante, passou por muitas tentações e aflições, mas resistiu e venceu todos os obstáculos. Professou os primeiros votos, aos vinte e seis anos de idade, naquele convento. E surpreendeu a todos com seu excelente trabalho de apostolado, simples, humilde, obediente, de oração e penitência. Chegou a ser encarregado das obras da nova Casa de Caposele; depois, como escultor, começou a fazer crucifixos. Possuindo os dons da cura e do conselho, converteu inúmeras pessoas, sendo muito querido no convento e na cidade.

Mas mesmo assim viu-se envolvido num escândalo provocado por uma jovem que ele ajudara. Foi em 1754, quando Néria Caggiano, não se adaptando à vida religiosa, voltou para casa. Para explicar sua atitude, espalhou mentiras e calúnias. Para isso escreveu uma carta ao superior, na época o próprio fundador, santo Afonso, acusando Geraldo de pecados de impureza com uma outra jovem.

Chamado para defender-se, Geraldo preferiu manter o silêncio. O castigo foi ficar sem receber a santa comunhão e sem ter contato com outras pessoas de fora do convento. Ele sofreu muito. Somente depois que a calúnia foi desmentida pela própria Néria, em uma outra carta, é que Geraldo pôde voltar a receber a eucaristia e a trabalhar com o afinco de sempre na defesa da fé e na assistência aos pobres. O povo só o chamava de "pai dos pobres".

Mas a fama de sua santidade, curiosamente, vinha das jovens mães. É que as socorridas por ele durante as aflições do parto contavam, depois, que só tinham conseguido sobreviver graças às orações que ele rezava junto delas, tendo o filho nascido sadio.

De saúde sempre frágil, Geraldo Majela morreu no dia 16 de outubro de 1755, no Convento de Caposele, com vinte e nove anos de idade. Após a sua morte, começaram a ser relatados milagres atribuídos à sua intercessão, especialmente em partos difíceis. Em 1893, ele foi beatificado, sendo declarado o padroeiro dos partos felizes. Em 1904, o papa Pio X canonizou-o e sua festa litúrgica ocorre no dia de sua morte. 
FONTE:http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=santo&id=388

Nenhum comentário:

Postar um comentário